Insegurança: pesquisa aponta 66 mortes em assaltos envolvendo bancos

Foi divulgada na última terça-feira, 24, a Pesquisa Nacional de Mortes em Assalto Envolvendo Bancos. O estudo, feito pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf) em parceria com a Confederação Nacional dos Vigilantes (CNTV) e apoio técnico do Dieese, registrou um crescimento de 34,7% no número de mortes entre 2011 e 2014, com […]

Foi divulgada na última terça-feira, 24, a Pesquisa Nacional de Mortes em Assalto Envolvendo Bancos. O estudo, feito pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf) em parceria com a Confederação Nacional dos Vigilantes (CNTV) e apoio técnico do Dieese, registrou um crescimento de 34,7% no número de mortes entre 2011 e 2014, com redução de 1,5% entre 2013 e 2014.

De acordo com o levantamento, em 2014, 66 pessoas foram assassinadas em assaltos envolvendo bancos, a maioria clientes. Os estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Goiás lideram o ranking com maior registro de ocorrências fatais. Os principais tipos de crime ainda são as “saidinhas de banco”, golpe que acontece quando o cliente sai da agência, com 32 mortes provocadas somente no ano passado.

Esses números comprovam a carência de investimentos em segurança por parte dos bancos, que, mesmo obtendo altos lucros ano após ano, não respeitam a vida e segurança de seus trabalhadores e clientes.

Conforme a pesquisa, os cinco maiores bancos – Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal, Itaú Unibanco, Bradesco e Santander – obtiveram juntos um lucro de 60,3 bilhões, mas investiram apenas 3,7 bilhões em segurança, o que equivale a 6,1% em comparação com os lucros obtidos.

Além da falta de investimento em segurança, muitos bancos ainda descumprem a Lei Federal n° 7.102/83que proíbe o funcionamento de estabelecimentos bancários onde haja movimentação de numerário com ausência de vigilantes e equipamentos de monitoramento.

Espírito Santo

No Estado não foi registrado nenhum caso de morte, no entanto, foram contabilizados 43 crimes de assalto contra agências bancárias e lotéricas só em 2014. As principais ocorrências também são as saidinhas de banco, com um total de 22 casos.

São muitos os exemplos de falta de investimento em segurança e o desrespeito à vida dos trabalhadores e clientes. Em maio de 2014, o Sindibancários/ES moveu uma ação judicial contra o banco Itaú, condenado pela Justiça a instalar portas giratórias com detector de metais e disponibilizar segurança nas chamadas agências de negócios no estado.

“Foi preciso a entidade mover uma ação judicial contra o banco para que o mesmo garantisse a segurança de clientes e trabalhadores e respeitasse a Lei Estadual n° 5.229, que exige a instalação de portas giratórias com detector de metais em todas as agências bancárias do estado. No entanto, mesmo com a ação movida pelo Sindicato, o banco ainda não cumpriu integralmente com a implementação das portas giratórias nas agências”, lembra o coordenador do Sindibancários/ES Carlos Pereira Araújo, o Carlão.

 

gráfico - insegurança nos bancosgráfico - insegurança nos bancos3gráfico - insegurança nos bancos4

Imprima
Imprimir