Jornal Mulher 24 Horas comemora 20 anos

Neste mês de novembro, o jornal Mulher 24 Horas comemora 20 anos de existência. Desde a sua criação, foram lutas e comemorações, com o objetivo de sempre debater, defender, colocar em foco a palavra da mulher e “mulheragear” (neologismo para lembrar que a palavra “homenagem”, de tanto respeito, também pode e deve remeter à mulher). […]

Neste mês de novembro, o jornal Mulher 24 Horas comemora 20 anos de existência. Desde a sua criação, foram lutas e comemorações, com o objetivo de sempre debater, defender, colocar em foco a palavra da mulher e “mulheragear” (neologismo para lembrar que a palavra “homenagem”, de tanto respeito, também pode e deve remeter à mulher).

A diretora de Relações Sindicais do Sindicato dos Bancários/ES, Lucimar Barbosa, desde o primeiro ano, faz parte do planejamento e produção do M24H. Ela conta que jornal nasceu com cunho organizativo, com o objetivo de dar visibilidade às mulheres no ambiente bancário; mas, hoje, pelo papel que vem desempenhando, considera a publicação necessária. “Durante duas décadas, gritamos a mudança e retratamos as conquistas desse sexo nada frágil. Entretanto, mesmo com os avanços, a realidade da mulher continua sendo um desafio, ainda há exploração, desvalorização, ainda sofremos com a jornada tripla, e com o jornal queremos, sobretudo, mostrar o óbvio, que é o direito de ter direitos”.

Dada a sua importância, as mulheres do Sindicato dos Bancários/ES esperam seguir com o Mulher 24 Horas por mais muitos anos, sendo ousadas, provocantes, propondo reflexões individuais e coletivas, além do exercício de um novo olhar para o mundo. Precisamos da luta pela igualdade das mulheres na gências e na vida. E, contra todas as piadas machistas, o jornal seguirá trazendo poesias. Porque quando uma cai, a outra levanta. E quando uma sofre, todas sofrem juntas. A luta é coletiva e antes de tudo, solidária.

M24H fazendo diferença no dia a dia das bancárias
Os comentários acerca do Mulher 24 Horas são sempre positivos, as bancárias consideram o jornal a oportunidade de refletirem sobre suas condições. Andreia Zerbini trabalha como bancária há 20 anos e conta que o jornal é uma forma de agregar informação e reflexão. “As matérias normalmente fazem despertar alguma coisa e que me fazem perceber que não estou olhando tanto para mim. É a chance dar um ‘respiro’ na rotina de estresse do banco, que suga tanto da gente. Hoje, a mulher é multifuncional. Esquecemos que somos de carne e osso, pois a sociedade cobra que sejamos de aço. O Mulher vêm para nos lembrar disso.”

A bancária aposentada Débora Gusmão também exalta a existência de uma publicação voltada para a mulher. “O jornal Mulher 24 Horas contribui para ampliar a consciência da mulher bancária ao reafirmar os seus direitos, em várias jornadas de trabalho, em tempos aonde a nossa realidade ainda prevalece valores masculinos em diversos setores e camadas sociais”.

Débora, que já não está mais na ativa, reconhece que o jornal foi de grande importância no seu dia a dia dentro do banco. “O Mulher trouxe reflexões e orientações que elevaram a minha percepção e o meu pensamento crítico em relação a segregação da mulher. Ele foi uma das fontes que ‘bebi’ para me fortalecer, me reafirmar para me aceitar exatamente como sou! Me fez mais forte! Suavizou a minha dor em um meio caótico e doentio em que encontrava”.

Última edição do M24H em 2013
Esta semana já está circulando nas agências bancárias a última edição de 2013 do jornal Mulher 24 Horas. Nela, comemoramos o aniversário de 20 anos da publicação, trazendo para os leitores o espaço “Palavra de Mulher” bem diferente e especial, com depoimentos de mulheres que, de alguma forma, seja como leitoras, autoras, entrevistadas, entusiastas… fazem parte dessa história.

Além disso, a edição encerra o ciclo de debates sobre corpo e sexualidade feminina, tema que foi pauta do jornal ao longo do ano. Dessa vez, a discussão é sobre a imposição de padrões de beleza, a dificuldade de aceitar o próprio corpo e a luta das mulheres negras para reafirmação de sua própria identidade.

Não perca! E em 2014 tem mais!

Imprima
Imprimir