Justiça do Trabalho condena Itaú a reintegrar diretor de base do Sindicato

O bancário do Itaú Weber Eugênio Birchler, da agência Linhares Carlos Lindenberg, foi reintegrado ao trabalho nesta quinta-feira, 07, por meio de ação judicial movida pelo Sindicato dos Bancários/ES. Weber, que é diretor de base da entidade na subsede de Linhares, foi demitido sem justa causa em agosto de 2015. A Justiça do Trabalho considerou […]

O bancário do Itaú Weber Eugênio Birchler, da agência Linhares Carlos Lindenberg, foi reintegrado ao trabalho nesta quinta-feira, 07, por meio de ação judicial movida pelo Sindicato dos Bancários/ES.

Weber, que é diretor de base da entidade na subsede de Linhares, foi demitido sem justa causa em agosto de 2015. A Justiça do Trabalho considerou ilegal a demissão de Weber, uma vez que ele estava em vias de adquirir estabilidade pré-aposentadoria integral.

Birchler trabalhava há 27 anos e 10 meses no Itaú, restando apenas 2 meses de trabalho para completar os 28 anos de vínculo com o banco, necessários à aquisição da estabilidade.

Além de ter que reintegrar Weber no cargo de gerente comercial, o Itaú foi condenado a pagar os salários desde a dispensa do empregado, junto com férias proporcionais +1/3, décimo terceiro salário proporcional, FGTS e todos os demais benefícios previstos na norma coletiva.

Itaú segue demitindo de forma irregular

Entre 2013 e 2016, nove bancários ou bancárias foram reintegrados pelo Itaú após demissões irregulares no Espírito Santo – dois deles só neste ano. Outros seis possuem ação ajuizada pelo Sindicato dos Bancários/ES e aguardam julgamento.

“Esse número representa que o Itaú vem descaradamente desrespeitando a legislação e tentando passar por cima de direitos dos trabalhadores do banco. Vamos continuar lutando e usando todos os recursos disponíveis, políticos e jurídicos, para reverter essas irregularidades”, salienta o diretor do Sindicato, Idelmar Casagrande.

Imprima
Imprimir

Comentários