Justiça nega pedido de não desconto de dia de greve

O Sindibancários/ES irá recorrer da decisão tomada na primeira instância e continuará pressionando a Caixa para que reverta a medida antissindical de desconto do dia de greve como falta injustificada

A 4ª vara do Trabalho de Vitória negou o pedido de antecipação de tutela do Sindibancários/ES para que a Caixa reconheça o direito à greve e desconsidere o dia 28 de abril como falta não justificada.  O Sindibancários/ES irá recorrer da decisão, proferida pela juíza Helen Mable Carreco Almeida Ramos, e continuará pressionando a Caixa para garantir o direito à greve e o tratamento igual a todos empregados.

Bancários e bancárias de todo o Brasil aderiram à greve geral dos trabalhadores no último dia 28 de abril. No entanto, em mais uma ação antissindical, a gestão de OCchi determinou que o dia de paralisação fosse descontado como falta não justificada. A negativa da juíza não é a decisão final sobre a questão e uma audiência está marcada para setembro deste ano.

“Vamos continuar tentando reverter essa questão no âmbito judicial, mas também vamos pressionar a Caixa para que dialogue com os bancários e respeite o direito de greve. Além disso, o Sindicato entende que não pode ter tratamento diferenciado aos bancários e bancárias. Já que a Caixa está abonando o dia de quem foi impedido de chegar ao trabalho por falta de transporte, também deve respeitar quem exerceu o direito à greve”, enfatiza a diretora do Sindibancários/ES, Lizandre Borges.

O movimento grevista também foi considerado legal pelo Ministério Público do Trabalho. Em outros estados, como no Ceará, Rio de Janeiro, Paraíba e Mato Grosso, a Justiça reconheceu o direito de greve dos trabalhadores e proibiu o banco de descontar a ausência dos empregados como falta injustificada.

Antes da paralisação, o Sindibancários/ES tomou todas as medidas necessárias para garantir o direito legítimo de greve. A assembleia da categoria foi realizada no dia 18 de abril e o edital publicado no jornal a Tribuna.

Contraf cobra negociação com a Caixa

A Contraf e a Comissão Executiva dos Empregados da Caixa enviaram ofício à direção do banco, no último dia 02 de maio, para pedir esclarecimentos sobre os procedimentos relativos às paralisações dos trabalhadores dos dias 15 de março e 28 de abril, realizadas em conjunto com diversas categorias profissionais e que tiveram forte adesão em todo o país.

No ofício, também é solicitado o agendamento imediato de reunião da mesa de negociação permanente, para buscar respostas e soluções aos debates anteriores (verticalizaçao, RH 184, trabalhados em dia de repouso semanal remunerado, dentre outros).

No dia 27, a Contraf informou a Caixa sobre a greve geral do dia 28, quando reafirmou que se tratava de um movimento nacional na defesa dos direitos dos trabalhadores e da Caixa 100% pública.

Imprima
Imprimir