Lançada Campanha Nacional dos Bancários 2016

Primeiras rodadas de negociação com a Fenaban serão nos dias 18 e 19 de agosto. Minuta específica do Banestes também foi entregue à direção do banco na tarde desta terça-feira

Campanha-Salarial-2016-ruas

Diretores e diretoras do Sindibancários/ES circularam na manhã desta terça-feira, 09, pelas agências do Centro de Vitória no lançamento da Campanha Nacional 2016. Um ato no Palas Center marcou o início da Campanha, que temo como lema “Só a Luta nos Garante”.  A minuta de reivindicações da categoria já foi entregue à Fenaban, em São Paulo, também nesta manhã. As duas primeiras rodadas de negociação acontecem nos próximos dias 18 e 19 de agosto.

Teatro-Campanha-Salarial-2016

Os principais problemas que atingem a categoria bancária, como cobrança por metas, assédio moral, demissões, entre outros, foram abordados na esquete teatral apresentada nos bancos. Agências lotadas, sobrecarga de trabalho e pressão estão se tornando cada vez mais comum no cotidiano do trabalho bancário. Somente a mobilização da categoria nesta campanha conseguirá derrubar o discurso da “crise” usado como “justificativa” por banqueiros e governo para cortar direitos e conquistas dos trabalhadores.

“Os bancos lucraram R$ 69,9 bilhões em 2015 e os trabalhadores são os verdadeiros construtores desse lucro. Mas, a cada ano aumenta o arrocho salarial, a retirada de direitos e piora a qualidade de vida dos bancários. Não podemos aceitar essa situação e precisamos discutir para valer, na mesa de negociação, a melhoria das condições de trabalho. Hoje, damos largada à Campanha Nacional e, especificamente nós, bancários capixabas, precisamos defender o Banestes como banco público e estadual. Convidamos todos os bancários e bancárias a se envolverem na Campanha, a participarem das assembleias, pois somente a luta nos garante”, enfatiza o coordenador geral do Sindibancários/ES, Jonas Freire.

Entrega da minuta específica do Banestes

Entrega da minuta do Banestes, no Palas Center

Entrega da minuta do Banestes, no Palas Center

À tarde foi a vez da entrega da minuta específica do Banestes, que aconteceu no Palas Center. Participaram deste momento a comissão de negociação do Sindicato dos Bancários/ES, composta pelos diretores Jonas Freire, Jessé Alvarenga, Derik Bezerra, Paulo Soares, Luciana Zandonade Mattedi e Willes Gonçalves. Os representantes do banco foram o presidente Guilherme Dias e o diretor jurídico e administrativo Bruno Vivas.

“Reivindicamos avanços nas negociações. Deixamos claro que o nosso limite não pode ser a Fenaban, tem que ir além. Podemos e queremos avançar”, diz o coordenador geral do Sindibancários, Jonas Freire.

A comissão de negociação do Banestes será composta pelo gerente de recursos humanos, Flávio Diesel; o advogado da gerência jurídica, Valmir Capeleto Guarnier; a coordenadora da gerência de recursos humanos, Fernanda Demuner Passamani; e o consultor da diretoria administrativa, Aryon Soprani Rocha.

Reivindicações

Reajuste salarial: 14,78% (incluindo reposição da inflação mais 5% de aumento), PLR: 3 salários mais R$8.317,90, Vales alimentação, refeição, 13ª cesta e auxílio-creche/ babá no valor de R$880,00 ao mês para cada benefício e melhores condições de trabalho com o fim das metas abusivas e do assédio moral estão entre as principais reivindicações da categoria nesta Campanha.

Bancário da Caixa há 26 anos, Josias Suave, acredita que somente com a união de toda categoria será possível garantir avanços no Acordo Coletivo. “Acredito que a mesma política da época de Fernando Henrique deve voltar com força agora. Somente vão atender as nossas reivindicações se os bancários estiverem bem organizado e mostrarem a força que tem nossa categoria. Dentro das agências o trabalho está cada vez pior, com menos empregados e mais serviço.  Além disso, estamos bem apreensivos diante da retirada de nossos direitos e acho que essa é uma estratégia para enfraquecer a Caixa,  para tentar justificar a privatização com a precarização do atendimento”, declarou.

Defesa dos bancos públicos

Defender as estatais é um dos desafios da  Campanha Nacional dos Bancários 2016. Caixa, Banestes, BB, Correios e Petrobras estão ameaçados de serem entregues ao setor privado, colocando a população em alerta. A privatização já foi uma estratégia do governo Fernando Henrique, quando 70 empresas federais e 55 estaduais foram vendidas, sob o discurso de enxugar a máquina estatal, pagar a dívida pública e investir em educação e saúde. No entanto, o valor arrecadado não impactou na redução da dívida, que continuou crescente, alcançando, em 2015, R$ 2,79 trilhões. Defender as empresas públicas é defender o patrimônio do povo brasileiro.

“Esse é o momento dos trabalhadores em geral se unirem contra o governo golpista do Temer, que propõe a terceirização, o sucateamento dos serviços públicos, reformas trabalhistas, e privatizações. A Caixa é patrimônio dos brasileiros, e como banco público tem importante papel na execução de políticas públicas, principalmente na área de habitação. No entanto, os últimos governos têm priorizado uma gestão da Caixa voltada para o mercado, em detrimento dos papel social do  banco, prejudicando bancários e clientes”, enfatiza a diretora do Sindibancários/ES, Renata Garcia.

Desempregada, Gláucia Barbosa, moradora de Vitória, tem imóvel financiado pela Caixa pelo Programa Minha Casa Vida e viu o valor da prestação subir de forma gradativa. Hoje ela está com três prestações atrasadas e foi surpreendida com os juros abusivos cobrados devido ao atraso.

“Se eu não tinha condições de pagar R$ 32,00 em dia, como vou pagar R$ 92,00?  Como uma prestação pode subir tanto? Não tenho como pagar essas prestações. Sendo um banco público, como podem cobrar juros tão abusivos de quem é de baixa renda, pobre?As três prestações passaram para mais de R$ 300,00. Não tenho como pagar.  Se é banco público, deveria beneficiar quem é de baixa renda. E se como banco público já está cobrando taxas  abusivas, imagine se for privado”, contou Gláucia.

Confira as principais reivindicações da Campanha Nacional 2016

•    Reajuste salarial: 14,78% (incluindo reposição da inflação mais 5% de aumento)
•    PLR: 3 salários mais R$8.317,90
•    Piso: R$3.940,24 (equivalente ao salário mínimo do Dieese em valores de junho último).
•    Vales alimentação, refeição, 13ª cesta e auxílio-creche/ babá no valor de R$880,00 ao mês para cada benefício
•    Melhores condições de trabalho com o fim das metas abusivas e do assédio moral.
•    Emprego: fim das demissões, mais contratações, fim da rotatividade e combate às terceirizações diante dos riscos de aprovação do PLC 30/15 no Senado Fede- ral, além da ratificação da Convenção 158 da OIT, que coíbe dispensas imotivadas.
•    Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS) para todos os bancários.
•    Auxílio-educação: pagamento para graduação e pós.
•    Prevenção contra assaltos e sequestros: permanência de dois vigilantes por andar nas agências e pontos de serviços bancários, conforme legislação.
•    Instalação de portas giratórias com detector de metais na entrada das áreas de autoatendimento e biombos nos caixas.
•     Abertura e fechamento remoto das agências, fim da guarda das chaves por funcionários.
•    Igualdade de oportunidades: fim às discriminações nos salários e na ascensão profissional de mulheres, negros, gays, lésbicas, transexuais e pessoas com deficiência (PCDs).

Confira as principais reivindicações contidas na minuta específica do Banestes

  • Reajuste salarial de 24,58%
  • Reposição das perdas salariais ocorridas no período de setembro de 1994 a agosto de 2016
  • Equiparação da comissão de gerente de relacionamento e de negócios
  • Contratação de mais empregados
  • Revisão da forma de contribuição à Banescaixa (retorno do caráter solidário do plano, sendo cobrado por percentual e não por faixa etária)
  • Aumento da contribuição do banco para a Baneses de 9% para 15% e que o Banestes continue contribuindo com os aposentados que estão na ativa.
  • Plano de Cargos e Salários que inclua todos funcionários.
  • Décimo quarto salário
  • Auxílios alimentação e refeição no valor de R$ 880,00

 LOGO- CAMPANHA-2016

Só a Luta nos Garante!

Esse é o slogan da Campanha Nacional dos Bancários 2016. A rosa, marca da campanha, traz em seu conjunto diversos elementos que remetem a essência da luta da categoria. Na folha, em forma de “8” está representada a IGUALDADE de gênero e raça presente na luta. Desafio nesta Campanha em meio a ataque aos direitos, a RESISTÊNCIA está no galho e espinhos da rosa, o que mantém e sustenta toda a luta. A flor, em forma de espiral, nos recorda que a luta deve ser contínua e crescente, sempre feita à base da tolerância e o respeito à diversidade que nos une. Somente por meio da organização coletiva é possível preservar direitos e avançar nas negociações da Campanha Salarial.

Imprima
Imprimir

Comentários