Lucro dos bancos privados somam mais de 11 bilhões no terceiro trimestre

Os três maiores bancos privados do Brasil, Itaú Unibanco, Santander e Bradesco, obtiveram, juntos, cerca de 11 bilhões de lucro somente no terceiro trimestre deste ano. Somente o Itaú Unibanco obteve um crescimento de 10% em relação ao mesmo período de 2014, no total de R$ 5,945 bilhões. Apesar da alta rentabilidade, os bancos continuam […]

Os três maiores bancos privados do Brasil, Itaú Unibanco, Santander e Bradesco, obtiveram, juntos, cerca de 11 bilhões de lucro somente no terceiro trimestre deste ano. Somente o Itaú Unibanco obteve um crescimento de 10% em relação ao mesmo período de 2014, no total de R$ 5,945 bilhões. Apesar da alta rentabilidade, os bancos continuam demitindo empregados e na Campanha Salarial deste ano se negaram a garantir melhores condições de trabalho para os bancários.

Os números evidenciam que não há crise para os bancos. Nos primeiros nove meses do ano, o lucro do Itaú somou R$ 17,662 bilhões, contra R$ 14,722 bilhões no mesmo período do ano anterior. Já o Santander obteve alta de 2% em relação ao segundo trimestre do ano e apresentou lucro líquido recorrente de R$ 1,708 bilhão.

O segundo maior lucro do período foi o do Bradesco, que anunciou ter registrado lucro líquido contábil de R$ 4,12 bilhões, um aumento de 6,3% em relação ao mesmo período do ano passado. De janeiro a setembro, o Bradesco acumulou ganhos de R$ 12,837 bilhões.

“É absurdo os bancos obterem esses lucros estratosféricos e continuarem demitindo. Boa parte desse lucro vem da exploração dos bancários e, mesmo assim, nas Campanha Salariais os bancos, representados pela Fenaban, se negam a negociar melhores condições de trabalho, de segurança, o fim das demissões, entre outras cláusulas importantes para a categoria. Com isso, os bancos mostram que não têm o mínimo respeito pelos seus empregados ”, enfatiza o diretor do Sindibancários/ES, Carlos Pereira de Araújo (Carlão).

Itaú

No final do terceiro trimestre de 2015, a carteira de crédito total do Itaú (incluindo operações de avais, fianças e títulos privados) alcançou o saldo de R$ 590,674 bilhões, uma alta de 4,3% frente ao trimestre anterior e crescimento de 10,1% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Bradesco 

Em setembro, a carteira de crédito do Bradesco atingiu R$ 474,488 bilhões, uma alta de 6,8% em relação ao saldo de setembro de 2014. As operações com pessoas físicas somaram R$ 145,234 bilhões, 5,2% acima de setembro de 2014, e as operações com pessoas jurídicas atingiram R$ 329,253 bilhões, um aumento de 7,5% frente ao ano passado.

(Com informações do site G1)

Imprima
Imprimir