Mais de 10 mil postos de emprego bancário são fechados em 2017

Os bancos múltiplos com carteira comercial, como Itaú Unibanco, Bradesco, Santander e Banco do Brasil, foram responsáveis pelo fechamento de 6.030 postos

De acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), os bancos fecharam 10.752 postos de emprego em todo o Brasil no primeiro semestre de 2017. A análise por Setor de Atividade Econômica revela que os “Bancos múltiplos com carteira comercial”, categoria que engloba instituições financeiras como Itaú Unibanco, Bradesco, Santander e Banco do Brasil, foram responsáveis pelo fechamento de 6.030 postos. A Caixa Econômica foi responsável pelo fechamento de 4.429 postos.

Esse grande índice da Caixa deve-se principalmente aos Programas de Desligamento Voluntário Extraordinário (PDVE). E a tendência é que o número de fechamento de postos de trabalho aumente. O governo ilegítimo de Temer dá sequência ao desmonte dessa instituição financeira com anúncio de um novo PDVE, feito no dia 17 de julho, para eliminar cerca de 5,4 mil postos de trabalho. Assim, totalizam-se os 10 mil empregados que o PDVE anterior, finalizado em março, pretendia demitir, mas cuja adesão foi de 4.645 empregados, segundo a Comissão Executiva dos Empregados (CEE/Caixa).

Quem também abriu um PDVE e vai aumentar ainda mais os futuros índices de fechamento de postos de trabalho é o Bradesco, primeiro banco privado a dar início às demissões em massa após a aprovação da reforma trabalhista no Senado.

“Não somos responsáveis pela crise, mas, neste momento, quem paga por ela somos nós trabalhadores e trabalhadoras. E isso acontece mesmo no setor financeiro, onde os lucros são muito altos. Ainda assim os bancários e bancárias estão sendo penalizados com demissões sumárias ou por meio de PDVE”, diz o coordenador geral do Sindicato dos Bancários/ES, Jonas Freire.

Imprima
Imprimir