Marcus Roger entra com medida judicial para garantir candidatura

O BB se utilizou do decreto 8945, de dezembro de 2016, para retirar o bancário das eleições para o Caref

O candidato ao Conselho de Administração dos Representantes dos Funcionários do Banco do Brasil (Caref), Marcus Roger, aguarda decisão da justiça em relação à medida judicial em caráter liminar por meio da qual busca garantir sua candidatura. Ela foi impugnada pelo BB, que se utilizou do decreto 8945, de 27 de dezembro de 2016, para retirar o bancário da disputa. Esse decreto regulamenta a Lei das Estatais e estabelece que trabalhadores que não têm curso superior não podem participar do Conselho de Administração.

“É importante notar que o lançamento do edital foi dia 14 de dezembro e a minha inscrição foi dia 22 de dezembro. O período de impugnação do primeiro turno foi nos dias 27 e 28 de dezembro. Comunicaram no dia 3 de fevereiro a tentativa de impugnação, um dia após o prazo estabelecido no calendário eleitoral. Não permitirei esse escárnio contra os bancários. Irei recorrer a todas instâncias judiciais para derrubar esta manobra.”, diz Marcus Roger.

O diretor do Sindicato dos Bancários/ES, Thiago Duda, destaca que a Lei das Estatais tem como um de seus objetivos minar a mobilização dos trabalhadores e trabalhadoras.

“Nossa possibilidade de atuação no CA já era limitada. Esta lei reduz também a possibilidade de participação dos bancários e bancárias nos espaços de decisão e impede principalmente aqueles que têm um histórico de militância. Basta ver os pré-requisitos que a lei estipula para que os funcionários e funcionárias ocupem os conselhos. É mais uma forma de alinhar, de maneira subordinada, o banco ao mercado”.
O segundo do turno das eleições do Caref acontece entre os dias 20 e 24 de fevereiro

Imprima
Imprimir