Mesmo com alta no lucro, Caixa corta gastos e explora empregados

No primeiro trimestre deste ano, a Caixa apresentou lucro líquido de R$ 1, 5 bilhão. Apesar de obter um crescimento de 15,3% maior em relação ao mesmo período de 2013, a Caixa cortou o benefício de incentivo à graduação neste semestre e tem adotado como prática não substituir assistentes em férias. O incentivo à graduação […]

No primeiro trimestre deste ano, a Caixa apresentou lucro líquido de R$ 1, 5 bilhão. Apesar de obter um crescimento de 15,3% maior em relação ao mesmo período de 2013, a Caixa cortou o benefício de incentivo à graduação neste semestre e tem adotado como prática não substituir assistentes em férias.

O incentivo à graduação é um valor que a Caixa oferece aos empregados para ajudá-los a custear seus cursos. Mas, no primeiro semestre do ano, os bancários que procuraram o programa descobriram que ele não foi ofertado. “A lucratividade da Caixa aumenta a cada semestre. Contraditoriamente, cada vez mais o banco exige mais formação dos empregados, mas não oferece o subsídio, ou seja, não dá condições para que se qualifiquem. O direito ao subsídio foi uma conquista dos trabalhadores e deve ser cumprido”, enfatiza a diretora do Sindibancários/ES, Lizandre Borges.

Outra medida prejudicial aos trabalhadores é a alteração da RH 184, normativa que determina a substituição de empregados de férias em seus respectivos cargos. Em agências em que trabalham dois assistentes, por exemplo, quando um sai em férias não está sendo substituído, sobrecarregando o bancário que fica.

“Essa é mais uma medida absurda da Caixa. É uma economia que onera e precariza o trabalho nas agências, que já estão no limite, devido à falta de empregados. Medidas como essas causam o adoecimento dos trabalhadores, e a Caixa já apresenta um número alto de licenças médicas”, ressalta Lizandre.
Lucro

Em 12 meses, o banco público mostrou aumento de lucros com crescimento de clientes e de empregados.
Mas, enquanto o número de clientes cresceu 10,8% e o número de contas aumentou 12,4% em um ano, a quantidade de postos de trabalho se expandiu bem menos: 5,2%, no mesmo período.

Com informações de http://www.spbancarios.com.br/

Imprima
Imprimir