MPA termina greve de fome após adiamento da votação da reforma da Previdência

Mesmo com o fim da greve de fome a mobilização continua. O MPA está convocando sindicatos, centrais sindicais e movimentos sociais para uma plenária que acontecerá na próxima quarta, das 9h às 12h, no auditório do Sindicato dos Bancários. Nela serão discutidas as estratégias de mobilização para barrar a reforma da Previdência.

Os militantes do Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) do Espírito Santo encerraram na quinta-feira, 14, a greve de fome em protesto contra reforma da Previdência por causa do anúncio do presidente ilegítimo Michel Temer (PMDB) de que o projeto de lei não será votado agora, mas em fevereiro.

Apesar de ter encerrado a greve de fome, o MPA continua mobilizado e convoca movimentos sociais, sindicatos e centrais sindicais para uma plenária sobre a reforma da Previdência, que acontecerá na próxima quarta-feira, 20, das 9h às 12h, no auditório do Sindicato dos Bancários/ES, localizado na rua Wilson Freitas, 93, Centro, Vitória.

Segundo o coordenador estadual do MPA Dorizete Cosme, a não votação da reforma da Previdência em dezembro, como pretendia o governo Temer, é uma vitória parcial da classe trabalhadora.

“Alcançamos o nosso objetivo, que era impedir que a reforma fosse votada neste momento. Agora temos que nos articular para enterrar de vez esse projeto de lei”, destaca.

O coordenador nacional do MPA enfatiza que essa vitória parcial não foi fruto somente da mobilização dos pequenos agricultores.

“Foi o conjunto das pressões dos sindicatos e movimentos sociais em todo o Brasil, que pressionaram os deputados federais em seus respectivos estados e fizeram com que o governo não conseguisse a quantidade de votos necessária para aprovar a reforma. Por isso que jogaram a votação para fevereiro. Agora contamos com a presença de trabalhadores e trabalhadoras de diversas categorias, do campo e da cidade, na plenária da próxima quarta, para mantermos e intensificarmos as mobilizações e, assim, enterrar de vez essa reforma que vem para retirar nosso direito à aposentadoria”, afirma Dorizete.

Imprima
Imprimir