Mulheres marcham pelas ruas de Vitória contra o machismo, o racismo e o capital

Em Vitória, o Dia Internacional da Mulher foi marcado pela realização do Bloco das feministas na rua contra o machismo, racismo e o capital! Organizado pelo Fórum de Mulheres do Espírito Santo, o ato contou com a participação de entidades sindicais, como o Sindicato dos Bancários/ES, e movimentos sociais do campo e da cidade. Cerca […]

Em Vitória, o Dia Internacional da Mulher foi marcado pela realização do Bloco das feministas na rua contra o machismo, racismo e o capital! Organizado pelo Fórum de Mulheres do Espírito Santo, o ato contou com a participação de entidades sindicais, como o Sindicato dos Bancários/ES, e movimentos sociais do campo e da cidade. Cerca de 500 pessoas marcaram presença no bloco, que saiu da Praça de Jucutuquara rumo ao Palácio Anchieta na manhã desta terça-feira.

Na chegada ao Palácio, militantes de movimentos sociais do campo e da cidade ocuparam a sede do governo para reivindicar uma audiência com o governador Paulo Hartung (PMDB), com quem querem debater a pauta de reivindicações, que contempla questões como garantia dos direitos reprodutivos, fim do sucateamento das políticas públicas, reforma agrária, fim do racismo institucional e efetivação dos direitos das mulheres camponesas, indígenas e quilombolas; além de lésbicas, bissexuais e transsexuais. Elas aguardam resposta do governador em relação ao pedido de audiência. 

O Bloco contou com cinco alas: contra a crise, contra a violência à mulher, ala da diversidade, que abrangeu as lésbicas, bissexuais e transexuais; saúde da mulher e mulheres camponesas. O Sindibancários fez parte da ala contra a crise. A diretora do Sindicato dos Bancários/ES destaca a conjuntura de retirada de direitos que a classe trabalhadora enfrenta hoje no Brasil, mas que atinge principalmente as mulheres. 

 

“Estamos aqui para dizer que não vamos nos calar diante do ajuste fiscal do governo Dilma, para dizer que queremos educação no campo e na cidade. Também não aceitaremos passivamente a Reforma da Previdência, que estabelece uma idade mínima para aposentadoria e iguala a idade entre homens e mulheres para recebimento do benefício, ignorando que as mulheres cumprem uma tripla jornada de trabalho”, diz Rita.

A diretora do Sindicato frisa, ainda, dois projetos de lei que estão em tramitação: o PLS 555 e o PLS 30/2015. “O PLS 555 prevê a privatização das estatais. Com isso, diversos direitos deixam de ser acessados. Muitas pessoas, principalmente as mulheres, não terão direito ao Bolsa família e à casa própria por meio do Minha Casa Minha Vida, por exemplo. O PLC 30, que prevê a terceirização irrestrita, também vai prejudicar principalmente as trabalhadoras”, alerta Rita Lima.

Diversidade

Dia das mulheres dois

O Bloco saiu de Jucutuquara e foi até o Palácio Anchieta

 

O Bloco das feministas na rua contra o machismo, racismo e o capital! Contemplou a diversidade. “Queremos não somente a igualdade entre homens e mulheres, mas também a entre as mulheres brancas e negras”, diz Rita. “Queremos reforçar nossa luta e unir vozes contra todo tipo de opressão para denunciar também a homofobia, pelo direito dos LGBTs, contra o racismo e o machismo”, afirma a diretora do Sindibancários e integrante do Coletivo LGBT Evelyn Flores.

Mulheres do campo, como as organizadas no Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) também marcaram presença no ato. “A unidade entre campo e cidade é fundamental para transformar o país e garantir as conquistas de direitos”, pontua a coordenadora estadual do MST, Fátima Ribeiro.

Confira a cobertura em foto do “Bloco das Feministas”

Imprima
Imprimir