Nesta quinta, MPT faz debate sobre assédio moral nos bancos e alerta sobre taxa de suicídio entre bancários

“Um bancário por dia tenta suicídio; e, a cada 20 dias, um deles acaba por consumar o ato”. Isso é o que revela uma pesquisa da Universidade de Brasília (UnB). Outros problemas como depressão, estresse e alcoolismo também surgem no dia a dia do bancário e são algumas das consequências do assédio moral. Por conta […]

“Um bancário por dia tenta suicídio; e, a cada 20 dias, um deles acaba por consumar o ato”. Isso é o que revela uma pesquisa da Universidade de Brasília (UnB). Outros problemas como depressão, estresse e alcoolismo também surgem no dia a dia do bancário e são algumas das consequências do assédio moral.

Por conta desse dado alarmante, o Ministério Público do Trabalho (MPT) está promovendo eventos nacionalmente sobre o assédio moral no setor bancário, com objetivo de esclarecer, prevenir e reprimir essa prática que agride a dignidade e a saúde dos trabalhadores. Em Vitória, o encontro acontece nesta quinta-feira, 24, às 14h, Auditório da Procuradoria Geral do Trabalho.

A Secretária de Saúde do Sindicato dos Bancários/ES, Maristela Correa, comenta que a realização de debates como este são importantes para reforçar o que o Sindicato já denuncia há algum tempo sobre os prejuízos causados pelo assédio na saúde do trabalhador. “O bancário vive diariamente pressionado, forçado a cumprir metas e sofrendo ameaças, condições que fatalmente provocam o aparecimento de doenças e até a consumação de um ato mais grave, como o suicídio. Essa realidade é nacional e, aqui no Estado, foi confirmada numa pesquisa realizada pelo Sindicato e encaminhada ao Ministério Público, no começo do ano”.

Maristela reforçou que o Sindicato faz o acolhimento das vítimas de assédio moral e a formulação de denúncias à Delegacia Regional do Trabalho e a outras instituições competentes. “Não deixamos o trabalhador enfrentando esse problema sozinho. Essa é uma prática que precisa ser combatida e abolida das agências. O Sindicato está nessa luta e o bancário não deve ter medo de denunciar os casos”.

O combate ao assédio moral, mais uma vez, foi uma das pautas prioritárias da Campanha Salarial 2013, mas, repetindo o que tem sido visto nos últimos anos, os banqueiros se recusaram a avançar nas negociações sobre o tema. A única conquista que vai ajudar a combater essa realidade – mas ainda é pouca para acabar com a prática dentro das agências – é a cláusula 36ª da Convenção Coletiva, que estabelece a proibição do envio de SMS para o celular particular dos trabalhadores para cobrar metas e resultados.

Serviço:
Conversa sobre Assédio Moral em Ambiente Bancário
Quando: 24 de outubro de 24/10/2013
Horário: 14 horas
Local: Auditório da Procuradoria Geral do Trabalho – Avenida Adalberto Simão Nader, 531, Mata da Praia, Vitória
Informações: (27) 2125 4522 / (27) 2125 4535

Imprima
Imprimir