Nota do Sindibancários/ES sobre as eleições da Previ 2016

Sindicato se posiciona sobre eleições da Previ. Nenhuma das cinco chapas em disputa tem o apoio dos bancários capixabas. Fica a cargo da categoria a ponderação e o voto.

Os bancários do Banco do Brasil se preparam para escolher a partir da próxima sexta-feira (13) os novos representantes nos cargos de Administração (Diretoria de Seguridade e Conselho Deliberativo) e Fiscalização e nos Conselhos Consultivos dos Planos 1 e Previ Futuro nas eleições da Previ. Cinco chapas disputam a corrida que termina no dia 27 e vão definir os rumos da Caixa de Previdência pelos próximos dois anos.

Nenhuma delas, entretanto, tem o apoio do Sindibancários/ES. Fica a cargo da categoria a ponderação e o voto.

O Sindicato acompanha com atenção o processo eleitoral e reafirma sua presença e compromisso com a construção da Caixa de Previdência. A opção por não apoiar nenhuma das chapas envolvidas na disputa foi tomada a partir de análise cuidadosa das dificuldades conjunturais da Previ e, principalmente, devido à fragmentação de bons quadros políticos entre as chapas. O Sindicato aposta na maior unidade possível para a composição das candidaturas e gestões, uma unidade pautada pela pluralidade de ideias e pensamentos, uma unidade que produza convergência de atores para enfrentar os atuais desafios.

Os bancários capixabas apostam em uma Previ que defenda os interesses dos associados e que atue com autonomia em relação ao BB e ao governo, seja ele qual for. Sua atuação deve ser submetida e prestar contas aos fóruns da categoria. A PREVI não é um fundo público, por isso precisa ter uma política de investimentos que continue segura, rentável e transparente. Seus recursos de superávits não devem ser utilizados pelo BB, nem pelo governo federal. Os investimentos da Caixa de Previdência não deve comprometer a complementação de nossas aposentadorias.

Reivindicamos transparência na escolha dos conselheiros das empresas participadas e na interlocução com associações de funcionários e aposentados e entidades, como forma de debate e entendimento dos anseios dos participantes e assistidos. Defendemos a maior participação dos funcionários pós-97 na gestão e não somente no Conselho Consultivo e o fim do voto de Minerva, restabelecendo a consulta ao corpo social quanto às mudanças dos Estatutos e Regulamentos dos Planos. A Previ precisa rediscutir a política de investimentos em renda variável, não só para proteger a reserva dos participantes da jogatina do mercado financeiro, mas também para impedir que a Caixa de Previdência faça investimentos em empresas que notoriamente agridem o meio ambiente e a legislação trabalhista.

A atual gestão, por exemplo, fechou os olhos para o desastre causado pela Samarco em Minas Gerais e no Espírito Santo. Como é sabido, a Previ é investidora da Vale e possui assento no conselho deliberativo da multinacional. Nosso investimento e seguridade não podem ser custeados com vidas humanas e com o encerramento de ecossistemas.

Desde a década de 80, quando conquistamos o direito de eleger nossos representantes para gerir tanto a Caixa de Previdência quanto a Caixa de Assistência o Sindibancários/ES aposta no voto consciente, de resistência, pautado pela seriedade de projetos, a experiência, a idoneidade e a capacidade de gestão dos candidatos. Nesta eleição, convocamos a categoria a examinar as propostas das chapas, os currículos dos candidatos e colocá-los em perspectiva com o que defendemos para a Previ antes de depositarem o voto em urna.

Imprima
Imprimir

Comentários