Paralisação do Banestes conta com ampla participação dos trabalhadores

A grande participação dos trabalhadores na plenária de ontem, 16, se repetiu na manhã de hoje durante a paralisação do Banestes localizado no edifício Palas Center, no Centro de Vitória. Os servidores paralisaram suas atividades até as 10h desta sexta-feira, 20, em protesto contra a postura do Governo do Estado e da direção do Banestes […]

A grande participação dos trabalhadores na plenária de ontem, 16, se repetiu na manhã de hoje durante a paralisação do Banestes localizado no edifício Palas Center, no Centro de Vitória. Os servidores paralisaram suas atividades até as 10h desta sexta-feira, 20, em protesto contra a postura do Governo do Estado e da direção do Banestes em relação ao Plano de Cargos e Salários (Plano Salto), cuja construção está sendo feita sem a participação dos trabalhadores. Além disso, foi apresentado somente um esboço que não esclarece qual é a real proposta do plano.

O diretor do Sindicato dos Bancários/ES Jonas Freire salientou a importância de dar prosseguimento à luta por um Plano de Cargos e Salários que atenda aos anseios da categoria. “O ato que estamos fazendo hoje devemos fazer sempre. Não vamos aceitar de cabeça baixa o que está acontecendo. Estamos reivindicando respeito e democracia. Faremos atos como esses quantas vezes for necessário”, afirma Jonas Freire.

O coordenador geral do Sindibancários, Carlos Pereira de Araújo, o Carlão, enfatizou que a participação de banestianos dos mais diversos setores é um passo importante para fortalecer a mobilização dos trabalhadores. “Queremos transformar o esboço em plano. Por isso, durante a plenária realizada no Centro Sindical, foi montada uma comissão representada por trabalhadores de todos segmentos do banco para formular uma proposta. Para isso devemos manter esse grau de unidade que estamos demonstrando aqui”, diz Carlão.

Os muitos anos de dedicação ao Banestes sem nenhum reconhecimento por parte do Governo do Estado é um fato salientado pelo delegado sindical Flávio Teixeira. “Ajudamos a erguer esse banco em momentos difíceis e é isso que recebemos em troca, um mero esboço do Plano Salto que não diz absolutamente nada, que deixa clara somente a questão do arrocho salarial e já recebeu o apelido de ‘Plano Assalto’, pois os trabalhadores estão se sentindo roubados”, afirma o delegado sindical.

Na segunda-feira, 20, os banestianos farão uma manifestação simbólica. Eles vestirão roupas pretas no horário de serviço.

Imprima
Imprimir