Participantes do PAC CD Itaú conquistam aporte único de 11,2% sobre o saldo da conta previdenciária

Os beneficiados com o aporte único são os ativos, assistidos (aposentados), os que se autopatrocinam e os ex-funcionários em Benefício Profissional Diferido (BPD)

Cerca de 21 mil trabalhadores e trabalhadoras do Itaú de todo o Brasil tiveram aporte único de 11,2% sobre o saldo depositado em conta previdenciária existente em 31 de março de 2016. O crédito ocorreu no último dia 30 de dezembro e poderá ser visualizado a partir de 17 de janeiro no portal www.fundacaoitauunibanco.com.br.

Os beneficiados com o aporte único são os ativos, assistidos (aposentados), os que se autopatrocinam e os ex-funcionários em Benefício Profissional Diferido (BPD), ou seja, aqueles que não trabalham mais no Itaú mas têm saldo em conta previdenciária. Segundo o diretor de Assuntos Jurídicos da Contraf, Maurí Sérgio Martins de Souza, os beneficiados devem fazer parte do PAC CD (Contribuição Definida), para o qual muitos trabalhadores e trabalhadoras migraram em 2009.

“Em 2009, em negociação com o movimento sindical, foi feita proposta de migração para o PAC CD, pois esse plano, ao contrário do outro, geraria uma conta previdenciária e, depois de aposentado, o trabalhador usufruiria dela e também sua família por ocasião de sua morte. Não era obrigatório migrar para o PAC CD, mas, na época, orientamos que os trabalhadores fizessem isso pensando em suas famílias. Quem não migrou terá o benefício para o resto da vida, diferentemente do PAC CD, que dependendo da maneira como utilizar o dinheiro, ele pode acabar. Contudo, no outro plano a família não terá direito a nada em caso de falecimento”, explica Mauri.

Os trabalhadores e trabalhadoras só podem usufruir do benefício a partir dos 50 anos se desligados da patrocinadora.

Imprima
Imprimir