Participe do Pedalaço contra a terceirização no dia 21 de junho!

Contra a terceirização e aprovação do PL 4330, o Sindibancários/ES irá promover o Pedalaço no dia 21 de junho, na Praia de Camburi. Quem não pedala também está convidado para participar, e pode caminhar, patinar, correr ou andar de skate. Só não pode deixar de ir! O ponto de encontro será no Píer de Iemanjá, […]

Contra a terceirização e aprovação do PL 4330, o Sindibancários/ES irá promover o Pedalaço no dia 21 de junho, na Praia de Camburi. Quem não pedala também está convidado para participar, e pode caminhar, patinar, correr ou andar de skate. Só não pode deixar de ir! O ponto de encontro será no Píer de Iemanjá, às 08 horas.

“O Pedalaço é uma forma de intensificar ainda mais a luta contra o PL 4330, além de dar visibilidade às ações de mobilização contra a terceirização. Assim, podemos informar mais amplamente os malefícios que esse projeto trará para a classe trabalhadora. Contamos com todos os bancários e bancárias no próximo dia 21 para fortalecer essa luta”, afirma o coordenador geral do Sindicato dos Bancários/ES, Jessé Alvarenga.

De acordo com o secretário de Esportes do Sindibancários, Esdras Henrique, a escolha do local se deu em virtude da maior facilidade de acesso dos trabalhadores e trabalhadoras. “É uma região que concentra grande número de bancários. Além disso, o Pedalaço acontecerá num horário em que não somente trabalhadores da nossa categoria, como também de outras, estão no calçadão com o objetivo de andar de bicicleta ou fazer outras atividades físicas. Assim, eles podem se unir conosco nessa atividade”, diz Esdras.

O PL 4330, que foi aprovado na Câmara Federal e está tramitando no Senado com o nome PLC 30/2015, permite que as empresas contratem trabalhadores terceirizados em qualquer ramo de atividade, seja ela fim ou meio. Caso seja promulgado, o PL 4330 isenta a contratante da obrigação de pagar direitos trabalhistas, como salário, férias, vale-transporte, FGTS e outros. No papel, caberá a ela apenas “fiscalizar” se a contratada estará cumprindo com suas obrigações.

Outro problema é que a empresa que fornece mão de obra terceirizada poderá subcontratar trabalhadores de outra empresa em casos de serviços técnicos especializados. Também é preciso destacar que funcionários do setor privado poderão ser substituídos por terceirizados, que são mais baratos para as empresas, aumentando a rotatividade e as contratações temporárias.

Imprima
Imprimir

Comentários