Pela primeira vez, eleições da Fenae terão cota de gênero

Chapas inscritas devem ter, obrigatoriamente, 30% de um dos gêneros

O edital de convocação da eleição para a Diretoria e Conselho Fiscal da Fenae (Gestão 2017/2020), publicado na quarta-feira, 30, traz uma novidade: a cota de gênero. As chapas inscritas deverão ter, obrigatoriamente, 30% de um dos gêneros. A diretora do Sindicato dos Bancários/ES, Rita Lima, destaca que a iniciativa é uma conquista das trabalhadoras bancárias.

“A cota de 30% demonstra um avanço na participação das mulheres no espaço político. Essa participação é fundamental para garantir a representatividade das bancárias no movimento dos trabalhadores e, consequentemente, aprofundar o debate e as mobilizações a cerca de pautas específicas do público feminino, fazendo um recorte de gênero que se faz necessário numa sociedade patriarcal, onde ainda há tantas desigualdades entre homens e mulheres”, afirma Rita Lima.

A busca pela paridade já está sendo implementada no movimento dos empregados da Caixa. No Conecef, teve início em 2014 com a cota de 30%, passando para 40% em 2015, e este ano foi de 50%, com corte para delegações que não atingiram a porcentagem estabelecida.

Eleições Fenae 2017

As eleições para a Diretoria Executiva e Conselho Fiscal da Fenae ocorrerão nos dias 15 e 16 de março de 2017. As chapas interessadas em participar do processo eleitoral deverão se inscrever no período de 6 a 10 de fevereiro. Poderão votar os associados efetivos das 27 Apcefs, com filiação até 31 de agosto de 2016.

Rita Lima salienta que, no contexto atual, em que o presidente da Caixa, Gilberto Occhi, anunciou medidas como programa de incentivo à aposentadoria que pretende atingir cerca de 11 mil empregados, abertura de capital da Lotex e Caixa Seguridade, entre outros, é preciso que os trabalhadores e trabalhadoras participem ativamente das eleições da Fenae.

“A Fenae tem papel fundamental na integração dos trabalhadores, é um instrumento de luta. Sempre esteve presente em nossas campanhas salariais e em outros momentos de mobilização. Nesse contexto de desmonte da Caixa por parte do Governo Federal, devemos fortalecê-la”, destaca.

Com informações da Fenae

Imprima
Imprimir