PLS 555 pode ser votado hoje. Trabalhadores se mobilizam em Brasília contra aprovação do projeto

Trabalhadores e trabalhadoras de todo o país se encontram no Senado Federal, em Brasília, para lutar contra a aprovação do PLS 555/2015, que está previsto para ser votado hoje. Uma comitiva do Sindicato dos Bancários/ES está no local e hoje de manhã procurou os senadores capixabas para explicar o porquê da necessidade de votar contra […]

Trabalhadores e trabalhadoras de todo o país se encontram no Senado Federal, em Brasília, para lutar contra a aprovação do PLS 555/2015, que está previsto para ser votado hoje. Uma comitiva do Sindicato dos Bancários/ES está no local e hoje de manhã procurou os senadores capixabas para explicar o porquê da necessidade de votar contra o projeto de lei. “Estivemos nos gabinetes e fomos recebidos pelos assessores dos senadores capixabas. Nossa luta é em defesa das empresas públicas e para que o patrimônio do povo seja respeitado”, destaca a diretora do Sindicato dos Bancários/ES, Rita Lima.

O PLS 555/2015 nasceu da junção de duas iniciativas de senadores tucanos, o PLS 167, de Tasso Jereissati, e o PLS 343, de Aécio Neves. O projeto cria o estatuto jurídico das empresas públicas e sociedades de economia mista no âmbito da União, Estados e Municípios, e impõe a abertura de capital das estatais, entre elas a Caixa. Ou seja, é uma forma de privatização das empresas públicas.

Representantes de diversos sindicatos, movimentos sociais e centrais sindicais foram impedidos de entrar no plenário para acompanhar a votação. “Não vamos sair daqui enquanto não permitirem nossa entrada, enquanto não houver resultado da votação ou enquanto não houver uma definição se de fato o projeto será votado hoje, pois há possibilidade de ser votado amanhã”, diz Rita.

Leia mais:

Sindibancários/ES entrega abaixo assinado contra o PLS 555 a senadores capixabas

Sindibancários/ES intensifica luta contra o projeto de venda das empresas públicas

Entidades traçam estratégias contra o PLS 555 e convocam Dia Nacional de Luta

Diga não ao PLS 555

Imprima
Imprimir