Prática antissindical: Dacasa tenta marcar reunião com trabalhadores para discutir passivo

O Sindibancários repudia essa iniciativa, já que a reunião diretamente com os funcionários é um desrespeito à representação sindical, pois somente o sindicato pode realizar assembleia junto a eles

A Dacasa Financeira comunicou o Sindicato dos Bancários/ES na segunda-feira, 22, que fará uma reunião com os empregados para fazer um acordo a respeito da proposta de pagamento do passivo em razão do enquadramento dos trabalhadores e trabalhadoras como financiários. O Sindibancários repudia essa iniciativa, já que a reunião diretamente com os funcionários é um desrespeito à representação sindical, pois somente o sindicato pode realizar assembleia junto a eles.

Além disso, a apresentação de proposta de acordo diretamente aos trabalhadores e trabalhadoras pode caracterizar assédio moral coletivo caso haja algum tipo de imposição como contrapartida para permanência no emprego. Pelo fato da reunião caracterizar ato antissindical, o Sindibancários, por meio de ofício enviado para a Dacasa, deu uma advertência à empresa para que ela não realize a reunião.

Pagamento do passivo

Após ação movida pelo Ministério Público do Trabalho (MPT), na qual o Sindibancários participa, cerca de 300 empregados da Promov, empresa do Grupo Dadalto, passaram a ser reconhecidos como financiários a partir do mês de abril deste ano. Com a mudança, esses trabalhadores e trabalhadoras passam a ter garantidos todos os direitos previstos na Convenção Coletiva da categoria dos financiários. A negociação com a empresa foi fechada no mês de março e a mudança vale apenas para os empregados da ativa.

A condenação tem reflexos sobre a remuneração, o valor do auxílio-alimentação, a redução da jornada de trabalho e consequentes horas extras, cujo valor foi estimado em R$ 63 milhões. Contudo, não foram contabilizadas ainda as horas extras efetivamente realizadas, a Participação nos Lucros e Resultados, prevista no Acordo Coletivo específico; o abono salarial individual de R$ 2 mil, previsto na Cláusula XI do Acordo Coletivo de Trabalho 2016; além de correção monetária previstos pela Justiça do Trabalho.

Entretanto, os valores provisionados para pagamento de passivo trabalhista, que chegaram a R$ 55.776 milhões em 2014, vêm sendo reduzido. Porém, o lucro dos acionistas é mantido.

“Por isso, o Sindibancários considera desrespeitoso a Dacasa querer pagar R$ 2 milhões para os cerca de 300 empregados da empresa, que receberiam menos de 3% do calculado apenas pelas diferenças entre os valores pagos e o previsto na Convenção 2016/2018”, diz o diretor do Sindicato, Idelmar Casagrande.

 

 

Empregados da Promov/Dacasa conquistam direitos

Os cerca de 300 empregados e empregadas da Promov, beneficiados por meio da ação movida pelo Ministério Público do Trabalho (MPT), passam a ter garantidos todos os direitos previstos na Convenção Coletiva da categoria dos financiários.

“Essa é uma importante vitória para os trabalhadores e trabalhadoras. Ao serem reconhecidos como financiários, eles passam a ter acesso a todos os direitos conquistados pela categoria, garantindo melhores condições de trabalho e de vida. Com a mudança, o Sindibancários representa todos os empregados da Dacasa e continuará na luta pela conquista de mais direitos para todos os financiários capixabas”, enfatiza o diretor do Sindibancários/ES, Idelmar Casagrande.

Veja algumas das principais conquistas dos financiários:

• Jornada de trabalho de seis horas diárias, com carga horária de 30 horas semanais
• Pagamento de 50% das horas extras trabalhadas
• Acréscimo de 35% sobre o valor da hora noturna
• Vale-alimentação no valor de R$ 530,76 mensais, mais 13ª cesta alimentação no mesmo valor. Não há desconto para o trabalhador.
• Vale-refeição no valor de R$ 33,28/dia de trabalho, considerando 22 dias fixos por mês, num total de R$ 732,16. Esse valor pode ser transferido para o cartão, tendo o colaborador, neste caso, que continuar com os dois benefícios num único cartão por, no mínimo, 180 dias. Não há desconto para o trabalhador.
• Vale-Cultura mensal de R$ 50,00, com desconto mensal de R$ 5,00. O trabalhador tem a opção de não aderir.
• Vale-transporte, com desconto de 4% sobre o salário base, ou seja, excluindo as gratificações.
• Auxílio-Creche/babá por meio de reembolso de até R$ 359,58 mensais para cada filho com até 71 meses de idade, mediante comprovante. A mesma condição é válida para colaboradores com filhos com deficiências que exijam cuidados especiais, desde que comprovada pelo INSS ou órgão por ele autorizado, sem limitação de idade.
• Adiantamento do 13º salário
• Pagamento anual de R$ 29,17 por ano de serviço. A cada ano, na data de admissão, o valor é reajustado.

Atenção, trabalhadores e trabalhadoras!

Aqueles que trabalharam na Dacasa desde 2002, foram demitidos há menos de dois anos e ainda não entraram com ação, podem entrar com ação individual de liquidação. Basta procurar o setor jurídico do Sindibancários. Tel: (27) 3331-9989 ou (27) 3331-9988.

Imprima
Imprimir