Pressão faz Caixa manter adicional de insalubridade

Trabalhadores resistiram em mesa de negociação e banco manteve adicional até agosto, quando os bancários apresentarão argumentos para justificar o benefício. Também foi homologada a sistemática para promoção por mérito em 2016. As regras serão as mesmas do ano passado.

Graças à pressão dos representantes dos trabalhadores, durante a rodada de negociação da mesa permanente, ocorrida na terça-feira, 12, em Brasília, a Caixa anunciou a manutenção do adicional de insalubridade dos avaliadores de penhor e deu prazo até 11 de agosto para que as entidades apresentem argumentos pela manutenção do pagamento. Na reunião de hoje, também foi homologada a sistemática para promoção por mérito em 2016. As regras serão as mesmas do ano passado.

“A manutenção do adicional de insalubridade é uma vitória parcial, fruto da pressão que as entidades fizeram em relação à Caixa. Vamos continuar pressionando para que os trabalhadores não percam esse direito”, diz a diretora do Sindicato dos Bancários/ES, Lizandre Borges.

Durante a reunião a Comissão Executiva de Empregados (CEE/Caixa) protocolou ofício reivindicando que fosse revogada a suspensão do pagamento do adicional, cujo corte foi comunicado oficialmente pela direção da empresa no dia 5 de julho. A Caixa alega que laudos de empresas contratadas consideraram que o ambiente em que se manipulam produtos químicos pelos avaliadores não apresenta risco à saúde. Portanto, os empregados da área não teriam mais direito ao correspondente a 40% do salário mínimo (R$ 352).

A CEE, para contrapor o questionamento da Caixa, apresentou um documento da Fundacentro, vinculada ao Ministério do Trabalho e Previdência Social. No documento foram elencados problemas no processo de avaliação de insalubridade feito pelos peritos contratados pelo banco.

As entidades representativas vão contratar novas perícias técnicas para avaliar o ambiente de trabalho dos avaliadores de penhor em algumas unidades da Caixa.  No dia 11 de agosto voltarão a ser reunir com a instituição financeira para retomar o debate sobre o problema. Antes, em 20 de julho, elas e os avaliadores de penhor vão realizar um Dia Nacional de Luta, quando farão a entrega de uma Carta Aberta aos Clientes.

Promoção por mérito

Os representantes dos trabalhadores e da Caixa homologaram a sistemática da promoção por mérito para 2016. Conforme foi definido na reunião da Comissão Paritária do Plano de Cargos e Salários, no dia 21 de junho, foram mantidas as regras adotadas em 2015. A pontuação máxima é de 70 pontos, sendo distribuídos da seguinte forma: critérios objetivos (40 pontos), subjetivos (20 pontos) e extra (10 pontos). Com a pontuação mínima de 40 pontos, o empregado passa a ter direito a um delta.

Uma das reivindicações das entidades que compõem a CEE é que a Caixa tente atingir a média de 1,1 delta para todos os empregados. Na promoção de 2015, o índice ficou em 1,01. Os interlocutores da empresa alegaram limitação orçamentária para atender o pleito. Segundo eles, o banco não pode comprometer mais que 1% da folha para realizar as promoções por merecimento. Disseram ainda que será feito um esforço para efetuar o pagamento dos deltas no mês de vigência da promoção, ou seja, em janeiro de 2017. Este ano, os empregados receberam em fevereiro, com valores retroativos ao mês anterior.

 

Cláusula 57 do Acordo Coletivo de Trabalho

Por solicitação da Caixa, a cláusula 57 da Convenção Coletiva dos Bancários 2015/2016, que visa a adoção por parte dos bancos de medidas para melhorar as relações nos locais de trabalho, constou na pauta da negociação permanente. A Caixa alega que tem adotado medidas para atender essa reivindicação e apresentou uma plataforma denominada Academia de Liderança que, segundo a empresa, através de cursos, indicação de artigos, vídeos e outras ferramentas, estaria incentivando práticas para reduzir os conflitos em sua rede.

Entrega da pauta de reivindicações da Campanha Salarial 2016

A entrega da pauta de reivindicações da Campanha Salarial 2016 está agendada para 9 de agosto. A CEE realizará uma reunião de planejamento nos dias 3 e 4 de agosto, em Brasília, para definir os principais pontos que serão debatidos durante a negociação concomitante com a mesa unificada e as estratégias de mobilização da categoria.

Com informações da Fenae

Atualizada em 13/07/2016

Imprima
Imprimir