Programação cultural e política marca Dia Internacional de Luta das Mulheres

Dia de aglutinação das lutas das mulheres em todo mundo, o 8 de março, Dia Internacional de Luta da Mulher, será marcado no Espírito Santo por uma ampla programação cultural e política na Capital e no interior. Conduzido pelo Fórum de Mulheres ES a partir da união de movimentos sociais do campo e da cidade […]

Dia de aglutinação das lutas das mulheres em todo mundo, o 8 de março, Dia Internacional de Luta da Mulher, será marcado no Espírito Santo por uma ampla programação cultural e política na Capital e no interior. Conduzido pelo Fórum de Mulheres ES a partir da união de movimentos sociais do campo e da cidade e de coletivos artísticos e políticos, a data celebra o feminino, o papel da mulher na sociedade contemporânea e problematiza as opressões de gênero que marcam as relações de trabalho e afetivas na sociedade.

O tema de mobilização escolhido neste ano, “Os direitos das mulheres não se negociam, nem um passo atrás”, coloca no centro de debate a relação da mulher com o trabalho e seu corpo. Entre as pautas em destaque que se relacionam com o tema está o veto do Estatuto do Nasciturno, representado pelo PL 478/2007, luta determinante para as mulheres em 2015 e central para o Dia Internacional de Lutas no Brasil.

Sindibancários/ES realiza ação sindical integrada à luta das mulheres

Entidade comprometida com a luta pela ampliação de direitos dos trabalhadores e com o combate às opressões de gênero, o Sindibancários/ES integra a programação do Dia 8 de Março com uma ação sindical na manhã da segunda-feira, 9, nas agências do Centro de Vitória. No dia, serão lançados a edição 106 jornal Mulher 24h, tradicional jornal produzido pelo Coletivo de Mulheres do Sindibancários. O jornal apresenta uma discussão sobre o assédio sexual sofrido pelas mulheres nos bancos. O Sindicato também lançará no dia 9 a edição 2015 do calendário menstrual.

Festival cultural em Vitória marca o Dia Internacional de Luta

No domingo, dia 8, o “Festival Lugar de Mulher é Onde Ela Quiser” reúne em Vitória coletivos artísticos e políticos, entidades e movimentos socais para um evento cultural de ocupação da cidade. Produzido integralmente por mulheres e com uma programação toda composta por iniciativas femininas, o Festival é uma afirmação do lugar da mulher na sociedade brasileira: é na rua, na luta, na música, na política e na praça.

Confira a programação completa do evento no Facebook.

O evento conta com apresentações musicais e de dança, oficinas, contação de histórias e o lançamento do filme “Tão Longe é Aqui”, da realizadora capixaba Eliza Capai, além de barraquinhas de comida e de artesanato. A ação começa às 15h e prolonga-se até às 21h debaixo da Ponte da Passagem (que liga a Reta da Penha à Avenida Fernando Ferrari). O local foi escolhido devido os casos de estupro e outras violências sofridas por mulheres no local. A entrada é franca.

Combate à violência marca a Marcha das Mulheres 2015

Momento marcante para resistência das capixabas, a Marcha das Mulheres 2015 relaciona a luta pela ampliação de direitos das mulheres e a violência de gênero no Espírito Santo. A Marcha será precedida por uma aula pública sobre femicídio, o homicídio de mulheres decorrente de conflitos de gênero, às 13h30, na Praça Costa Pereira, Centro de Vitória, onde as mulheres vão se concentrar para a caminhada.

A Marcha deixará a Costa Pereira às 14h30, ainda sem trajeto definido, e deve ser finalizada na no Palácio da Fonte Grande, sede institucional do governo capixaba, onde o Fórum de Mulheres pretende entregar ao governador Paulo Hartung uma carta com reivindicações que busquem combater a violência de gênero no Estado e a implementação do Plano Estadual de Políticas para as Mulheres do Espírito Santo.

Veja a programação completa da Marcha no Facebook.

O Espírito Santo é campeão nacional em assassinatos de mulheres. Dados do Mapa da Violência 2012, produzido pelo sociólogo Julio Jacobo, revelam que, de 1980 a 2010, foram assassinadas no país quase 91 mil mulheres, das quais 43,5 mil somente na última década. O ES registrou uma taxa de 9,6 homicídios em cada 100 mil mulheres, sendo Vitória líder das capitais em assassinatos com uma taxa de 13,2. O número parece alto, mas a estimativa é de que apenas 10% das mulheres denunciam as agressões sofridas.

Marcha em Colatina marca o Dia Internacional de Luta no interior

Em Colatina, no interior do estado, movimentos sociais engajadas na luta de afirmação da mulher e contra a violência de gênero como a Via Campesina, quilombolas e entidades de classe também realizam uma marcha para marcar o Dia Internacional de Luta das Mulheres. O trajeto da atividade ainda não está definido.

Estatuto do Nasciturno

Em tramitação no Senado, o Estatuto do Nasciturno atribuiria direitos fundamentais ao embrião, mesmo que ainda não esteja em gestação, dando-lhe estatus jurídico e moral de pessoas nascidas e vivas. A proposta incide diretamente na luta das mulheres pela liberação e regulamentação do aborto no Brasil e, de forma direta, subtrai uma conquista de 1940 das mulheres brasileiras, o direito de interromper a gravidez no Sistema Único de Saúde (SUS) e em clínicas particulares caso a gestão tenha sido motivada por um estupro. O Estatuto do Nascituro ignora a relação de causa e efeito entre a ilegalidade do aborto, os altos índices de abortos inseguros e as altas taxas de morbidade e mortalidade materna no Brasil, e põe em risco a saúde física e mental e até mesmo a vida das mulheres.

. Entre as atividades que estão protagonizando a construção deste 8 de março estão: Adufes – Amucabuli – Amus – Associação De Mulheres Indígenas Tupinikins e Guaranis – Assédio Coletivo – Ajudes – Articulação De Mulheres Brasileiras – Biscates – Coletiva Comigo Ninguém Pode – Casa América Latina – Cddh/Serra – Cress – Coletivo De Mulheres Negras Aqualtune – Coletivo Femenina – Coletivo Luisa Grinalda – CPT – CRJ – Dce/Ufes Fejunes – Fórum de Mulheres ES – Fórum De Mulheres De Vila Velha – Fórum De Assistentes Sociais E Psicólogas Do Tjes – Grupo De Mulheres De Terra Vermelha – Idesbre – Jsol – Levante Popular Da Juventude Kisile Jacaraipe – Mais Magrelas – Mulheres do Psol – MST ES – Mpa ES – Mmc Es – Mucav – Mulheres Negras Capixabas – Mulheres Quilombolas – Olho da Rua – Pastoral Da Juventude Rural – Rua – Sindadvogados – Sindbancários/ES – Sindilimpe/ES – Sintufes – Sindipúblicos-ES – Sindijudiciário-ES – Sindicato Dos Jornalistas/ES – Ubm/ES – Zalika Maternidade Parto e Infância – Feministas Autônomas

Imprima
Imprimir