Proposta da Fenaban impõe retrocesso para a categoria

A proposta de reajuste de 5,5% mais de R$ 2,5 mil de abono não incorporado ao salário apresentada pela Fenaban impõe perdas para os bancários a curto e longo prazo. Apesar do aumento do lucro dos cinco maiores bancos, a proposta da Fenaban significa perda real de 4% para os salários e demais verbas da […]

A proposta de reajuste de 5,5% mais de R$ 2,5 mil de abono não incorporado ao salário apresentada pela Fenaban impõe perdas para os bancários a curto e longo prazo. Apesar do aumento do lucro dos cinco maiores bancos, a proposta da Fenaban significa perda real de 4% para os salários e demais verbas da categoria, já que a inflação acumulou 9,88% (INPC). A resposta dos bancários deve ser greve para garantir reajuste salarial decente e melhores condições de trabalho.

Uma conta simples mostra que os bancos estão querendo impor retrocesso aos trabalhadores. Nos últimos dois anos, os bancários garantiram com muita luta, aumento real de 1,82% e 2,02%, o que resultou num ganho acumulado de 3,88%. Ou seja, a proposta da Fenaban, na prática, mais do que anula os ganhos conquistados pela categoria em 2013 e 2014. Se essa proposta fosse aplicada, o saldo final de 2013, 2014 e 2015 seria de perda real de 0,26% para os bancários.

Perdas - Sindicato de SP

Com a proposta feita pela Fenaban, considerando o ganho anual do trabalhador (salários, 13º, férias e FGTS) e a PLR, o bancário que recebe o salário médio da categoria (R$ 6.208) teria uma perda de R$ 2.144,81 ao longo do ano (se comparado a uma proposta que apenas repusesse a inflação).
Proposta com perdas vai levar bancários à greve. Bancários capixabas se reúnem em assembleia nesta quinta-feira, 01, às 18 horas, no Centro Sindical dos Bancários para deliberar sobre o movimento grevista.

Abono é perda

Além disso, o abono de R$ 2,5 mil não se integraria aos salários, seria pago só uma vez. Incide imposto de renda e INSS. Ou seja, o valor que seria pago é bem menor que o apresentado pelos bancos. Abono em vez de aumento real significa chegar à próxima campanha, em 2016, com toda a inflação de um ano mais as perdas de 4% para repor nos salários e demais verbas dos bancários. Não incorpora ao FGTS, à aposentadoria nem ao 13º salário. No longo prazo, isso significaria trabalhadores com menos poder de compra e mais dinheiro nos cofres dos banqueiros.

Com informações do Sindicato dos Bancários de São Paulo.

Imprima
Imprimir