Redução não é solução – sindicatos e movimentos sociais marcham em ato contra PEC 171

Na manhã desta quarta-feira, 29, centenas de jovens, sindicatos e movimentos sociais, entre eles o Sindicato dos Bancários/ES, marcharam em ato pelo Centro de Vitória contra a PEC 171, proposta de emenda à Constituição que reduz a maioridade penal de 18 para 16 anos. Organizado pela Frente Capixaba Contra a Redução da Maioridade Penal em […]

Na manhã desta quarta-feira, 29, centenas de jovens, sindicatos e movimentos sociais, entre eles o Sindicato dos Bancários/ES, marcharam em ato pelo Centro de Vitória contra a PEC 171, proposta de emenda à Constituição que reduz a maioridade penal de 18 para 16 anos. Organizado pela Frente Capixaba Contra a Redução da Maioridade Penal em parceria com outros movimentos e entidades, o ato foi convocado pelas redes sociais e contou com cerca de 300 pessoas nas ruas.

De acordo com o integrante do Fórum Estadual da Juventude Negra do Espírito Santo (FEJUNES), Lula Rocha, os manifestantes marcharam em ato para “denunciar a inconstitucionalidade da proposta e demonstrar o repúdio à PEC”. Segundo Lula, os participantes do ato iriam se encontrar com o governador para cobrar maior atenção às políticas públicas para a juventude, no entanto, foram informados de que ele não estava no Palácio.

O coordenador geral do Sindibancários, Carlos Pereira de Araújo, o Carlão, afirma que a redução da maioria penal não é solução para o problema da criminalidade. “O Sindibancários entende que a redução da violência está ligada ao investimento em políticas públicas. Portanto, é preciso trazer, por exemplo, a discussão sobre a dívida pública brasileira, que é um assunto que a classe política brasileira não quer discutir. Defendemos a auditoria da dívida pública, suspendendo seu pagamento para que esse dinheiro possa ser utilizado na elaboração e aplicação de políticas públicas capazes de promover a inclusão social da juventude”, diz.

Segundo o coordenador geral do Sindibancários, a redução da maioridade penal é uma grande demagogia da parte da classe política brasileira. “No governo FHC, por ocasião das privatizações, houve todo um discurso de que vender as estatais faria com que sobrasse dinheiro para investir nas políticas públicas. Depois ficou mais do que provado que isso não era verdade. Acontece a mesma coisa na questão da redução da maioridade penal. Vende-se a ideia de que isso vai reduzir a criminalidade, quando na verdade menos de 1% dos crimes hediondos são cometidos por adolescentes. Além disso, a redução da maioridade penal vai acarretar no encarceramento da juventude pobre, trabalhadora e negra”, afirma Carlão. 

Imprima
Imprimir

Comentários