Representantes dos bancários cobram resposta da Caixa sobre problemas nas agências

Em reunião realizada nesta terça-feira (16), em Brasília (DF), as representações dos trabalhadores no Fórum Paritário Nacional de Condições de Trabalho reivindicaram da Caixa Econômica Federal agilidade no retorno às demandas apresentadas nos fóruns regionais. Conquista da Campanha Salarial 2014, essas comissões têm por finalidade debater e buscar medidas de combate e prevenção a problemas […]

Em reunião realizada nesta terça-feira (16), em Brasília (DF), as representações dos trabalhadores no Fórum Paritário Nacional de Condições de Trabalho reivindicaram da Caixa Econômica Federal agilidade no retorno às demandas apresentadas nos fóruns regionais.

Conquista da Campanha Salarial 2014, essas comissões têm por finalidade debater e buscar medidas de combate e prevenção a problemas encontrados nas unidades, como não-cumprimento da jornada de trabalho, assédio moral, cobranças por metas e falta de estrutura.

Inicialmente estava prevista, no Acordo Coletivo de Trabalho 2014/2015 (ACT), a instalação dos projetos-pilotos dos fóruns regionais em Brasília, Campinas, Curitiba, Fortaleza e São Paulo. Mas, por conta do aumento considerável de assaltos a agências, o Rio de Janeiro foi incluído posteriormente.

Para os dirigentes dessas bases sindicais, a instalação dos fóruns foi positiva, pois possibilitou que as diversas áreas do banco dialogassem entre si, viabilizando celeridade no atendimento das demandas, mas consideram que é preciso aprimorar o seu funcionamento. Na avaliação das representações dos trabalhadores, é necessário que a Caixa envie para as reuniões gestores com poder de negociação.

“É necessário reforçar para os gestores a importância desses fóruns de diálogo e construção. Só assim poderemos resolver os problemas que afligem os trabalhadores e criar medidas preventivas para que não mais ocorram. São dificuldades que vão desde a desorganização no local de trabalho onde incluímos a carência de pessoal, que gera a sobrecarga de trabalho, a questões como falta de ar condicionado e segurança”, destacou a coordenadora do Fórum Paritário Nacional de Condições de Trabalho, Fabiana Uehara.

A Caixa foi representada por gestores da área de logística, segurança, redes, saúde e segurança do trabalhador e negociação coletiva. Os projetos-pilotos dos fóruns regionais vão funcionar até a data de 31 de agosto. O prazo inicial de seis meses foi prorrogado por solicitação da Comissão Executiva dos Empregados (CEE/Caixa – Contraf).

“Os fóruns são importantes espaços para discutir as demandas das agências e esperamos que em breve esse projeto também seja implantado no Espírito Santo. Assim como em outros estados, os bancários capixabas da Caixa são vítimas de assédio moral e não têm o direito à jornada de seis horas respeitada. É preciso cobrar para que a Caixa dê retorno sobre as discussões realizadas. Assim como nas mesas temáticas, a Caixa não demonstra interesse em fazer as negociações. Na Campanha Salarial deste ano, temos que reivindicar a mudança de postura do banco com o Fórum”, enfatiza a diretora do Sindibancários/ES, Lizandre Borges.

O gerente nacional em exercício da Geing (Informações Corporativas e Negociação Coletiva), José Isaac Arantes Freitas, reforçou a importância dos fóruns.

Transparência

Os representantes dos trabalhadores contestaram o posicionamento da Caixa de impedir que jornalistas das entidades sindicais acompanhem as reuniões dos fóruns regionais, casos ocorridos em Brasília e Curitiba e reivindicaram a revogação dessa medida. Consideram que foi uma medida unilateral tomada pelo banco. A Geing ficou de avaliar a reivindicação com as outras áreas.

Com informações da Fenae Net.

Imprima
Imprimir