Com lucro de R$ 5,35 bi, Santander não tem propostas para bancários

Apesar dos altos lucros, banco não deu retorno ainda sobre a pauta específica dos empregados, que foi entregue desde maio à instituição

O banco Santander anunciou lucro líquido de R$ 5,350 bilhões no terceiro trimestre de 2016 – uma alta de 6,7% em relação ao mesmo período de 2015. O balanço apresentado pelo banco reafirma que não a crise que assola o país não atinge os banqueiros, que ao contrário de outros setores da economia continuam obtendo altos lucros. No trimestre o lucro líquido gerencial foi de R$ 1,8 bilhão, alta de 6,5% em relação ao 2º trimestre do ano.

O retorno sobre o Patrimônio Líquido Médio Anualizado (ROE) ficou em 12,9%, com crescimento de 0,1% em doze meses. O lucro obtido no Brasil representou 20% do lucro global que foi de € 4,606 bilhões (com queda de 22,5% em doze meses).
Apesar dos altos lucros, o Santander não apresentou ainda uma resposta para as reivindicações específicas dos empregados. O banco recebeu a pauta da categoria em maio e até a última reunião, realizada no dia 20 de outubro, o Santander não tinha para propostas para os trabalhadores.

“O Santander continua obtendo altos lucros às custas da exploração dos bancários e bancárias. Nossas reivindicações são por melhores condições de trabalho, valorização dos empregados e em defesa do nosso emprego. Mesmo com o crescente lucro, o banco desrespeita seus empregados e não atende nossas reivindicações”, enfatiza o diretor do Sindibancários/ES, Jonathas Corrêa.

Aumento das tarifas

Exploração do trabalho dos empregados e clientes. Essa é a receita aplicada pelo Santander para obter altos lucros, seja em tempo de crise ou não. Somente a receita com prestação de serviços mais a renda das tarifas bancárias cresceu 13,9% em doze meses, totalizando R$ 9,86 bilhões. As despesas de pessoal subiram 8,5%, atingindo R$ 6,38 bilhões. Assim, em setembro de 2016, a cobertura dessas despesas pelas receitas secundárias do banco foi de 154,56%.

Mesmo com lucros nas alturas, a holding encerrou o 3º trimestre de 2016 com 48.024 empregados, com fechamento de 2.495 postos de trabalho em relação ao mesmo período no ano passado. O número de agências se manteve no período.

Paraíso dos rentistas

O Santander divulgou que o lucro no Brasil representa 20% do seu lucro global, deixando para trás o Reino Unido e a Espanha. Ou seja, o Brasil é responsável pela maior parte do lucro do banco espanhol.

Carteira de crédito

A Carteira de Crédito Ampliada do banco teve queda de 6,3% em doze meses e atingiu R$ 311 bilhões e as operações com pessoas físicas cresceram 6,8% em relação a setembro de 2015 e 1,9% no trimestre, chegando a R$ 88,4 bilhões. Já as operações com pessoas jurídicas alcançaram R$ 125,0 bilhões, com queda de 13,9% em doze meses.
Pequenas e média empresas

No segmento de pequenas e médias empresas houve queda de 10,0% e no segmento de grandes empresas, a queda foi de 15,1% em relação a setembro de 2015. O Índice de Inadimplência superior a 90 dias apresentou alta de 0,3 p.p. em doze meses, ficando em 3,5%. Apesar dessa alta, as despesas com provisões para créditos de liquidação duvidosa (PDD) apresentaram queda de 8,7%, totalizando R$ 9,3 bilhões.

O resultado do banco foi influenciado principalmente pelas contas relacionadas a câmbio (derivativos, câmbio e empréstimos e repasses), que geraram receitas de R$ 18,5 bilhões.

Com informações da Contraf e Dieese

Imprima
Imprimir