Santander: sindicato cobra melhores condições de trabalho

A escassez de empregados no banco é um dos principais problemas identificados nas agências

O Sindibancários/ES se reuniu com a Superintendência do Santander para discutir melhorias nas condições de trabalho dos empregados. A agenda foi uma resposta a cobranças feitas pelo Sindicato ao Recursos Humanos do banco ainda na Campanha Nacional. Na reunião foi apresentada uma pauta com 23 itens, especificando os problemas vivenciados nas agências e departamentos.

A pauta foi cuidadosamente elaborada a partir de visitas feitas nos locais de trabalho de norte a sul do estado, por um período de 15 dias. “A proposta foi levantar informações precisas sobre a realidade dos bancários para debater com o banco”, explica Cláudio Merçon (Cacau), diretor do Sindicato.

Escassez de empregados

O principal problema identificado foi a falta de funcionários. Pelo levantamento feito pelo Sindicato, cerca de 70% das agências apresentam quadro de empregados defasado, o que acarreta outras complicações, como sobrecarga e adoecimento. “Bancários reclamaram que não conseguem fazer horário de almoço devido à falta de funcionários. Observamos diversos relatos de crise de ansiedade, síndrome do pânico, dificuldades para dormir, uso intensivo de medicação e ler/dort”, conta o diretor Thiago Guimarães.

A política de metas também foi criticada na reunião com o banco. “Todos os empregados têm metas, mas a carência de pessoal gera uma concentração do trabalho muito grande, ficando impossível cumpri-las. A pressão que já acontece pelo acúmulo de trabalho se agrava com a cobrança de metas”, explica Jonathas Corrêa, também diretor do Sindicato e empregado
do Santander. Na reunião, o Sindicato tratou de denúncias específicas de assédio moral, envolvendo práticas autoritárias e desrespeitosas de gestores do banco relacionadas à cobrança de
resultados.

Os problemas de climatização das agências, comuns nos períodos mais quentes do ano, também foram tratados. “Com a aproximação do verão, é importante que o banco faça a
manutenção preventiva dos aparelhos de ar condicionado. No último verão tivemos vários casos de agências com aparelhos quebrados, o que torna o ambiente altamente insalubre para
bancários e clientes”, ressaltou a diretora Cláudia Garcia.  A Superintendência Regional do Santander se comprometeu a considerar os pontos apresentados pelo Sindicato.

Sobre o déficit de empregados, os representantes do banco afirmaram que novas contratações já estão sendo feitas e que o problema deve ser reduzido. Também garantiram que vão apurar as
denúncias de assédio moral apresentadas fazer a manutenção preventiva do ar condicionado nas agências.

Imprima
Imprimir