Santander: Sindicato cobra pagamento de tíquetes em dinheiro

Para o Sindicato, empregado não pode ser penalizado por limitação na rede credenciada

O Sindicato dos Bancários/ES oficiou a direção do Santander cobrando que os valores dos tíquetes alimentação e refeição sejam creditados aos empregados em dinheiro. Isso porque, desde o dia 30 de abril, quando o banco substituiu a bandeira dos cartões para o Ben Visa Vale, de propriedade do próprio banco, os empregados estão com dificuldade de usufruir o benefício.

Os trabalhadores reclamam que poucos estabelecimentos comerciais são cadastrados no novo sistema, o que, na prática, inviabiliza o acesso a esse direito. “Para nós, pagar o tíquete em uma bandeira que não é aceita é como não pagar, e configura um descumprimento do Acordo Coletivo. Se a rede credenciada do novo sistema não está completa ou é insuficiente, o banco deve viabilizar outra forma de pagamento do tíquete, ainda que provisória, até que o problema seja solucionado, e não penalizar os empregados”, destaca Jonathas Corrêa, diretor do Sindibancários/ES.

Caso o Santander não efetue o pagamento do tíquete em dinheiro com celeridade, o Sindicato tomará outras providências para preservar o direito dos trabalhadores. “Estamos falando de um direito básico, que é a alimentação, do qual nenhuma pessoa pode abrir mão”, diz Jonathas.

O tema já havia sido pauta da última reunião da Comissão de Organização dos Empregados (COE) com o Santander, no dia 25 de abril. Os funcionários alertaram para possíveis problemas e solicitaram o adiamento da implantação do novo cartão, para que novos postos fossem incluídos. A direção do banco, no entanto, informou que tinha cadastrado 123 mil pontos de atendimentos e até o fim do ano seriam 300 mil. Alegou ainda que, por questões contratuais, não poderia prorrogar, mantendo a data de início do Ben Vale.

Imprima
Imprimir