Senado ameaça levar à votação projeto de lei da terceirização

Esta semana o presidente do Senado, Renan Calheiros, apresentou a Agenda Brasil. De acordo com ele, trata-se de um pacote de propostas “anticrise”, entre elas, a votação do PLC 30/2015, que defende a terceirização irrestrita. O projeto de lei seria votado em regime de urgência, sem passar pelas comissões, indo direto para o plenário. O […]

Esta semana o presidente do Senado, Renan Calheiros, apresentou a Agenda Brasil. De acordo com ele, trata-se de um pacote de propostas “anticrise”, entre elas, a votação do PLC 30/2015, que defende a terceirização irrestrita. O projeto de lei seria votado em regime de urgência, sem passar pelas comissões, indo direto para o plenário.

O primeiro pacote foi apresentado na segunda, 10, com 29 propostas. Uma nova versão, com 43 propostas, foi divulgada na quarta, 12, após uma reunião entre o presidente do Senado e o Ministro da Fazenda, Joaquim Levy. “O envolvimento de um ministro do Governo Dilma nesse processo mostra que esse governo apoia terceirização e não está ao lado da classe trabalhadora”, afirma o diretor do Sindicato dos Bancários/ES e da Intersindical, Idelmar Casagrande.

O sindicalista destaca que é preciso intensificar ainda mais a luta contra o projeto de lei. “Apesar de ter dito que era contrário a esse projeto, Renan Calheiros está fazendo o mesmo que Eduardo Cunha, utilizando-se de manobras para que o projeto seja votado e aprovado o mais rápido possível. Temos que impedir que isso aconteça e a solução é ir para as ruas dizer não à terceirização!”, diz Idelmar.

Imprima
Imprimir