Sindibancários/ES intensifica luta contra o projeto de venda das empresas públicas

Em defesa das empresas públicas brasileiras, o Sindibancários/ES foi às agências nesta terça-feira, 02, para dialogar com os bancários e clientes sobre a ameaça do PLS 555 ao patrimônio dos brasileiros. Além da ação nos bancos da Grande Vitória, diretores do Sindicato foram ao aeroporto de Vitória nesta manhã para abordar os parlamentares capixabas e […]

Em defesa das empresas públicas brasileiras, o Sindibancários/ES foi às agências nesta terça-feira, 02, para dialogar com os bancários e clientes sobre a ameaça do PLS 555 ao patrimônio dos brasileiros. Além da ação nos bancos da Grande Vitória, diretores do Sindicato foram ao aeroporto de Vitória nesta manhã para abordar os parlamentares capixabas e solicitar que se posicionem contra o PLS 555.

 C  1620 C  1599

Uma comitiva de diretores do Sindibancários/ES também se reúne com outras entidades, nesta terça, no acesso ao Anexo II do Senado, em Brasília, no Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas. A proposta é abordas os senadores e exigir o arquivamento do PLS 555.

Com o fim do recesso do Congresso Nacional nesta terça-feira (2), o PLS 555/2015, conhecido como o Estatuto das Estatais, pode ser incluído na sessão de abertura dos trabalhos.  Com o objetivo de abrir o capital das empresas públicas ao capital privado, o PLS 555 coloca em risco importantes programas sociais que são de responsabilidade dessas instituições.

O Comitê Nacional em Defesa das Empresas Públicas  foi criado no seminário sobre o PLS 555, realizado no último dia 27 de janeiro, e é formado pelas centrais sindicais Intersindical, CSP-Conlutas, CTB, CUT, Nova Central e a entidades Fenae e a Federação Única dos Petroleiros (FUP).

Dia Nacional de Luta

Definido no Seminário sobre o PLS 555/2015, no último dia 27 de janeiro, o Dia Nacional de Luta em Defesa das Empresas Públicas será realizado nesta quarta-feira (3). É importante a participação dos bancários, bancárias e de toda a sociedade nesta mobilização contra o PLS 555. Os capixabas podem participar divulgando em suas redes sociais a hashtag #NãoaoPLS555, além de enviar e-mail para os senadores do Estado solicitando que vote “Não” ao PLS 555.

“É preciso unir forças para barrar mais esse ataque ao patrimônio dos brasileiros. A justificativa para o projeto e o discurso da grande mídia é que a privatização é o caminho para moralizar as empresas públicas. Mas sabemos que esse argumento é uma grande mentira, já que já temos inúmeros mecanismos que garantem a transparência na gestão das empresas públicas. O que está por trás do PLS 555 é a venda dessas instituições para beneficiar o setor privado. Não podemos permitir a aprovação desse projeto que trará grandes prejuízos para os brasileiros, principalmente para a população de baixa renda”, enfatiza o diretor do Sindibancários/ES (Carlão).

Envie e-mail para os senadores capixabas

MAGNO MALTA (PR)
Telefones:(61) 3303-4161 / 5867
E-mail:magno.malta@senador.leg.br

RICARDO FERRAÇO (PMDB)
Telefones:(61) 3303-6590 / 6593
E-mail:ricardo.ferraco@senador.leg.br

ROSE DE FREITAS (PMDB)
Telefones:(61) 3303-1156
E-mail:rose.freitas@senadora.leg.br

O perigo do PLS 555 

Na verdade, o PLS 555 pode ser chamado como o Estatuto da Desestatização. O projeto determina que as empresas públicas sejam constituídas sob a forma de S.A. (Sociedade Anônima), permitindo a participação do capital privado. A proposta foi apresentada como parte da Agenda Brasil sugerida pelo Senado. É um substitutivo ao PL 167/2015, do senador Tasso Jereissati (PSDB), e uma referência ao PLS 343/2015, do senador Aécio Neves (PSDB).

No seminário do dia 27 de janeiro, Luiz Alberto dos Santos, especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental, enumerou os principais problemas do projeto. “Para começar, existe vício de iniciativa, pois legislar sobre organização da administração pública é competência exclusiva da União. Também há limitação dos órgãos societários e engessamento da atuação social das estatais”, explanou.

Com informações da Contraf e da Agência Fenae

Imprima
Imprimir

Comentários