Sindicato apoia Marcus Roger nas eleições do Caref

As eleições acontecerão de 23 a 27 de janeiro

Têm início nesta segunda-feira, 23, as eleições para o Conselho de Administração do Banco do Brasil (Caref). O Sindicato dos Bancários/ES apoia a candidatura do bancário Marcus Roger (F6819207), empregado do BB há 12 anos e militante ativo em defesa dos empregados e do Banco. A votação é por meio do SISBB e ocorre até sexta-feira, 27. Todos os funcionários da ativa podem votar.

“Marcus Roger defende um Caref independente de partidos, governos e patrões. Ele também acredita que o BB deve ser agente do crescimento do país, contribuindo para o desenvolvimento social e econômico do Brasil, sempre respeitando os clientes, usuários e empregados do banco. Por isso Marcus Roger é nosso candidato para o Caref”, destaca a diretora do Sindicato dos Bancários/ES, Goretti Barone.

Para o candidato Marcus Roger, o Caref é um importante instrumento para construir a unidade e a defesa da categoria pela melhoria das condições de trabalho, a inclusão bancária da população e a manutenção dos direitos dos trabalhadores e trabalhadoras.

Defesa do BB público

A candidatura de Marcus Roger é pautada na defesa do BB público, cuja atuação deve ter como fundamento primordial o caráter social da instituição financeira. Para isso, o BB deve ser estatal. Entretanto, infelizmente o banco tem atuado como uma instituição financeira privada tanto na relação com os trabalhadores e trabalhadoras quanto com os clientes.

Na defesa do BB público, a luta contra a reestruturação tem sido uma das principais bandeiras de luta do candidato Marcus Roger. Sem dialogar com os bancários e entidades sindicais, o governo golpista de Temer iniciou um processo de desestruturação do BB que prevê o encerramento de 31 superintendências regionais, fechamento de 402 agências e transformação de outras 379 em postos de atendimento.

Ao mesmo tempo, a direção do BB está ampliando o atendimento e lançando sua conta totalmente digital (BB Conta Fácil) e demitindo funcionários por meio do Plano Extraordinário de Aposentadoria Incentivada. Apreensão e indignação tomam conta dos empregados, que foram surpreendidos com esse processo, que também tem afetado negativamente o comércio local e os clientes que dependem do atendimento prestado nas unidades fechadas.

Limites à atuação do representante

A atuação do representante dos bancários e bancárias no Caref está sujeita a diversos limites impostos por lei. Um dos obstáculos é a proibição do acesso do representante dos trabalhadores a inúmeras informações em virtude da alegada necessidade de “sigilo da empresa”. O representante dos bancários também não pode divulgar as informações as quais tiver acesso sob o risco de sofrer sanções do Banco e da CVM.

Soma-se a isso o fato da composição do Conselho ser desigual, pois é formada por dois representantes eleitos pelos acionistas majoritários, quatro representantes da União (um indicado pelo Ministério do Planejamento e três pelo da Fazenda), o presidente do BB e um representante eleito pelos empregados.

Para o candidato, o Conselho de Administração deve garantir uma atuação mais eficiente do representante dos trabalhadores e trabalhadoras, dando a ele a possibilidade de participação nos debates que tratam de temas referentes aos bancários e bancárias, coisa que a legislação atual não permite, qualificando como “conflito de interesse”. Isso é um tanto quanto incoerente, afinal, a diretoria do banco pode, por exemplo, estabelecer sua própria PLR.

Diretores do Sindibancários/ES e trabalhadores de base apoiam Marcus Roger:

  • Derik Bezerra
  • Deraldo Pereira
  • Thiago Duda
  • Maria da Glória Dias
  • Evelyn Flores
  • Goretti Barone
  • Suellen Suzano
  • José Carlos Noronha
  • Jair Huber
  • Everton Gujawski

Imprima
Imprimir