Sindicato convoca comissionados a aderirem à greve da categoria

Os trabalhadores comissionados estão entre os mais pressionados para “furar” a greve da categoria. As gerências superiores e as superintendências usam com frequência ameaças veladas, como cobrança de fidúcia, para desmobilizar os bancários, o que muitas vezes funciona. Ter um cargo de comissão ou uma função de confiança, contudo, não retira do trabalhador o seu […]

Os trabalhadores comissionados estão entre os mais pressionados para “furar” a greve da categoria. As gerências superiores e as superintendências usam com frequência ameaças veladas, como cobrança de fidúcia, para desmobilizar os bancários, o que muitas vezes funciona.

Ter um cargo de comissão ou uma função de confiança, contudo, não retira do trabalhador o seu direito de greve. O bancário comissionado continua sofrendo com a falta de condições de trabalho, com a pressão para o cumprimento de metas inatingíveis e com o assédio moral proveniente das instâncias superiores. Às vezes, essa pressão é ainda pior se comparado aos demais bancários, já que o benefício da comissão é utilizado pelo banco para justificar práticas absurdas de gestão, como se o bancário, em função do pequeno acréscimo na remuneração, devesse se submeter a todos os desmandos do banco.

Por isso, o Sindicato/ES convoca mais uma vez os comissionados a aderirem à greve. Só a mobilização trará respostas efetivas à nossa negociação. Lembre-se: existem dois caminhos possíveis, o da submissão silenciosa, que leva à continuidade dos problemas; e o da luta coletiva, que leva a mudanças positivas na relação de trabalho. Será que a comissão é suficiente para impor uma obediência cega e “comprar” o direto de greve? Os bancários que estão em greve lutam pelo direito de todos, e os benefícios e as conquistas provenientes do movimento paredista serão do tamanho da mobilização da categoria. Furando a greve, você contribui para que essas conquistas sejam menores. Mas você tem opção. Vem pra luta, comissionado!

Nacionalmente, greve de comissionados do BB ganha força

Em todo o País a adesão de comissionados do BB à greve da categoria está crescendo. Na capital de Santa Catarina, Florianópolis, mais de 105 comissionados de agência paralisaram as atividades, 40% assistentes de negócios e 60% gerência média. Além disso, na PSO, 76% dos gerentes aderiram à greve na última segunda-feira, dia 30, fortalecendo ainda mais o movimento dos bancários.

A paralisação é semelhante nos estados da Bahia e Ceará. No Espírito Santo, algumas unidades também contam com a adesão dos comissionados. “Esperamos que todos os trabalhadores participem do movimento de greve. Assim, teremos muito mais força para avançar nas negociações, tanto na mesa da Fenaban quanto na mesa específica do BB”, destaca Goretti Barone, diretora do Sindicato/ES.

Gerentes do BB tentam impedir direito de greve

A direção do Banco do Brasil e alguns de seus gestores – inclusive da gerência média – estão tentando impedir o direito de greve dos bancários, convocando os empregados a retornarem ao trabalho. As táticas utilizadas incluem a convocação direta por meio de ligações pessoais, o envio de boletins, torpedos e e-mails. O Sindicato dos Bancários/ES alerta: a prática é antissindical e não será tolerada!

“Qualquer tipo de ameaça ou pressão, direta ou indireta, para que o empregado grevista compareça ao trabalho, seja na sua agência ou em agência diferente da que presta serviços, é uma forma de impedir o livre exercício do direito de greve da categoria. Tais tentativas devem ser denunciadas, para que o Sindicato tome as medidas políticas e jurídicas necessárias”, afirma Goretti Barone, bancária do BB e diretora do Sindicato dos Bancários/ES.

Imprima
Imprimir