Sindicato convocará assembleia para definir destinação de contribuição negocial

Sindibancários/ES sempre manteve posição contrária à taxa negocial. Por isso, a destinação do valor que cabe ao sindicato (70% da taxa) será definida em assembleia dos associados, que podem optar pela devolução desse valor aos bancários sindicalizados

Na Convenção Nacional da categoria, aprovada em Assembleia Geral Extraordinária nessa quarta-feira, 29, está inclusa a contribuição negocial a ser paga pelos bancários e bancárias de 1,5% sobre o salário já reajustado e 1,5% sobre cada parcela da PLR.  O valor a ser descontado sobre o salário já reajustado é de no mínimo R$ 50,00 e de no máximo R$ 250,00, já sobre cada parcela da PLR o teto será de R$ 210,00.

O Sindibancários/ES foi contra a contribuição negocial desde a Conferência Nacional, e manteve o mesmo posicionamento no Comando Nacional da categoria. A defesa do Sindicato era de que a contribuição negocial deveria ser decidida pela assembleia da categoria, que tem autonomia para isso. No entanto, a proposta não passou e a contribuição negocial passa a ser parte da Convenção Nacional, logo não foi possível votá-la separadamente.

Diante disso, o Sindibancários/ES, assim que receber o dinheiro referente a essa taxa, irá convocar uma assembleia dos associados para que a categoria decida qual será a destinação do valor arrecadado, que pode ser, inclusive, a devolução do valor para os bancários sindicalizados.

“Nosso posicionamento sempre foi contrário à contribuição negocial e foi essa defesa que fiz no Comando Nacional, como representante dos bancários capixabas e da Intersindical. Mas nosso voto foi vencido pela maioria do Comando e a taxa foi incluída na Convenção Nacional. Por isso, assim que recebermos o dinheiro vamos chamar todos os bancários e bancárias sindicalizados para uma assembleia para que seja definida a destinação do valor que cabe ao Sindicato (70% da taxa)”, explica o diretor do Sindibancários/ES, Carlos Pereira de Araújo (Carlão).

Imprima
Imprimir