Sindicato dos Bancários/ES apoia manifestações populares

Várias manifestações estão acontecendo em mais de 20 Estados brasileiros, entre eles, o Espírito Santo. Os protestos tiveram início por meio de uma mobilização do Movimento Passe Livre (MPL), em São Paulo, reivindicando, principalmente, melhorias no que diz respeito à questão da mobilidade urbana. O movimento foi ganhando adesão popular, com a participação de grupos […]

Várias manifestações estão acontecendo em mais de 20 Estados brasileiros, entre eles, o Espírito Santo. Os protestos tiveram início por meio de uma mobilização do Movimento Passe Livre (MPL), em São Paulo, reivindicando, principalmente, melhorias no que diz respeito à questão da mobilidade urbana. O movimento foi ganhando adesão popular, com a participação de grupos como trabalhadores das periferias, e suas pautas foram se expandindo, englobando, entre outras bandeiras, o investimento em saúde e educação. 

O Sindicato dos Bancários/ES, que há mais de 30 anos participa ativamente das lutas em prol da classe trabalhadora, apoia as reivindicações. Afinal, há tempos a entidade protesta contra o descaso em relação às políticas sociais. Saúde e educação, por exemplo, são bandeiras históricas defendidas pelos trabalhadores e o Sindicato encara de forma positiva a adesão maciça da sociedade em torno dessas causas.

A entidade entende que as manifestações são um direito legítimo do povo. São formas de expressar a insatisfação com os governos federal, estadual e municipal e, também, em relação à atuação da Central Única dos Trabalhadores (CUT), que desde a chegada do Partido dos Trabalhadores (PT) ao governo tem tido uma postura governista, inclusive, abstendo-se de mobilizar e organizar a classe trabalhadora para a luta por saúde e educação públicas, gratuitas e de qualidade para todos.

Por isso, o Sindibancários convida a categoria para estar junto ao Sindicato e outras organizações populares no ato a ser realizado na sexta-feira, 28, com concentração às 15h, ao lado do Teatro da Ufes. A iniciativa contará com a participação de movimentos como Movimento Sem Terra (MST), Movimento de Pequenos Agricultores (MPA), Consulta Popular, Levante Popular da Juventude, Movimento Passe Livre, Sindicato dos Fisioterapeutas e Fórum Memória Verdade e Justiça. Na ocasião os trabalhadores levarão ás ruas de Vitória pautas como democratização da comunicação, tarifa zero e educação.

O Sindibancários também discutirá com os trabalhadores por meio de uma assembleia a adesão da categoria à Greve Geral que está sendo planejada para o dia 11 de julho, da qual participarão várias centrais sindicais.

Greve Geral de 1º de julho

Estar ao lado dos trabalhadores é um dos princípios do Sindibancários. Por isso, a diretoria participa ativamente de ações nas quais seus organizadores mostram a “cara” e a voz, deixando claro quais são suas bandeiras. Até porque a entidade sempre deixou clara a sua postura de atender aos anseios da classe trabalhadora. Por isso, a entidade comunica que não irá aderir à Greve Geral, marcada para a próxima segunda-feira, 1º de julho.

Um dos motivos que justificam o posicionamento do Sindicato é o fato de que ninguém sabe quem são as pessoas ou organizações responsáveis por essa iniciativa. A identidade de seus organizadores é totalmente desconhecida. Portanto, há impossibilidade de saber quais são os reais interesses daqueles que estão por trás desse movimento. Dessa forma, corre-se o risco de participar de uma mobilização que, na verdade, pode ser capitaneada por grupos cujos interesses se confrontam com os da classe trabalhadora.

Imprima
Imprimir