Sob ataque, Caixa completa 158 anos

Desde sua criação, em 12 de janeiro de 1861, a Caixa vem se aprimorando para atender a população e contribuir com o crescimento social e econômico do país. Empregados são parte fundamental dessa história.

Construída pelas mãos e com a dedicação de milhares de empregados e empregadas, a Caixa completa 158 anos neste sábado, 12. Presente em todos os estados do Brasil, a Caixa se tornou o maior banco público do país, forte, rentável e crucial na execução de políticas públicas, como habitação e saneamento básico. Apesar de tamanha relevância, a Caixa vem sofrendo contínuos ataques e está sob ameaça de desmonte e privatização neste governo.

O novo presidente do banco, Pedro Guimarães, já anunciou a abertura de capital das operações mais rentáveis do banco, como cartões, seguros, assets e loterias. Ao longo de sua história centenária, a Caixa vem cumprindo função social fundamental para o desenvolvimento político e social do país, e o seu fatiamento, como proposto pelo governo Bolsonaro, representa o esfacelamento do caráter público do banco e ameaça o emprego de milhares de bancários.

“No aniversário da Caixa, são os bancários e as bancárias que merecem os parabéns, pois são os verdadeiros responsáveis por esse banco forte e presente há mais de um século na história de desenvolvimento do Brasil. Temos muito a comemorar, mas há muita luta a organizar em defesa da Caixa 100% pública. É preciso resistir ao projeto de desmonte anunciado pelo governo Bolsonaro. O desenvolvimento econômico do Brasil e a redução da desigualdade social dependem da manutenção da Caixa 100% pública”, enfatiza a diretora do Sindibancários/ES, Rita Lima.

Há 158 na vida dos brasileiros

 Desde sua criação, em 12 de janeiro de 1861, a Caixa vem se aprimorando para atender a população e contribuir com o crescimento social e econômico do país, por meio, por exemplo, da oferta do financiamento habitacional com juros acessíveis, como agente responsável pelo FGTS, pelo PIS e pelo Seguro-Desemprego.

Além disso, o banco apoia o desenvolvimento cultural e esportivo, por meio de patrocínios a inúmeras atividades artísticas-culturais, educacionais e desportivas. Desde 2004 a Caixa patrocina o esporte paralímpico e possui ainda mais de 4.000 funcionários treinados em libras.

Crédito imobiliário

 É por meio da Caixa que milhares de brasileiros conseguem adquirir a tão sonhada casa própria. Líder na área de financiamento habitacional, a Caixa detém 69,5% desse mercado. De acordo com o relatório da Caixa, o saldo da carteira de crédito habitacional chegou a R$ 440,5 bilhões em setembro de 2018, dos quais R$ 258,5 bilhões com recursos FGTS.

No Programa Minha Casa Minha Vida, foram contratados, até setembro, R$ 44,8 bilhões, o que equivale a 366.130 novas unidades habitacionais. Dessas novas moradias, 20,7% foram destinadas à Faixa 1 do Programa, com a menor taxa de juros e com maiores subsídios do governo.

Crédito Rural

A Caixa também fomenta o desenvolvimento agrícola no país. Em setembro de 2018, o valor de concessão de Crédito Rural atingiu saldo de R$ 7,4 bilhões, com destaque para a modalidade disponível para Pessoa Jurídica, que apresentou 30% de aumento em comparação com setembro de 2017.

 Combate à desigualdade social

Como banco 100% público, a Caixa é o principal agente operador dos programas sociais do Governo Federal e cumpre papel fundamental para a erradicação da pobreza e da desigualdade social. Até setembro de 2018, foram pagos 121,3 milhões de benefícios sociais, correspondendo a R$ 22,1 bilhões. Pelo programa Bolsa Família, fundamental para a redução da taxa de mortalidade infantil e evasão escolar, foram pagos R$ 21,5 bilhões.

Já nos programas voltados ao trabalhador, a Caixa realizou o pagamento de R$138,9 milhões de benefícios, como Seguro-Desemprego e Abono Salarial, até setembro de 2018, que totalizaram R$ 209,2 bilhões. Já arrecadação do FGTS atingiu R$ 89,1 bilhões e os saques totalizaram R$ 82,1 bilhões

Loterias

Na mira dos planos de privatização do governo Bolsonaro, as Loterias Caixa são importante fonte de recursos para o desenvolvimento social do país. Até setembro de 2018, foram arrecadados R$ 9,9 bilhões, sendo que cerca de R$ 3,7 bilhões foram transferidos aos programas sociais do governo federal nas áreas de seguridade social, esporte, cultura, segurança pública, educação e saúde, o que corresponde a 37,5% do total arrecadado pelas Loterias.

 Esporte e cultura

Na área da cultura, a Caixa investiu até setembro de 2018, cerca de R$ 58,7 milhões em projetos de teatro, cinema e exposições, em 7.196 eventos realizados nas unidades da Caixa Cultural pelo Brasil. Além disso, o banco é também o maior patrocinador do esporte no Brasil, investindo nas modalidades como  Atletismo, Ginástica, Basquete, Paradesporto e Futebol.

O estímulo à prática desportiva e à inclusão social de crianças e adolescentes através do esporte também é compromisso da Caixa. Nesse mesmo período, a Caixa investiu cerca de R$ 310,6 milhões em patrocínios esportivos.

Imprima
Imprimir