Terminam negociações com Santander e bancários votam Acordo Aditivo na próxima terça

Os bancários conquistaram o parcelamento opcional do adiantamento das férias em até três vezes; a correção das bolsas de estudo pelo índice da Fenaban e reajuste no Programa de Participação nos Resultados do Santander (PPRS). O acordo terá validade de 2 anos.

Após nove rodadas foram finalizadas nesta terça-feira, 22, as negociações para a renovação do Acordo Coletivo específico do Santander, aditivo à Convenção Coletiva de Trabalho (CCT). O acordo será submetido à aprovação na próxima terça, 29, em assembleia geral dos bancários do Santander, que será realizada na sede do Sindicato a partir das 18h30.

Os bancários conquistaram o parcelamento opcional do adiantamento das férias em até três vezes; a correção das bolsas de estudo pelo índice da Fenaban (8% em 2016 e INPC mais 1% em 2017), além do reajuste de 9,13% no Programa de Participação nos Resultados do Santander (PPRS) em 2016, e a correção pelo índice da Fenaban em 2017.

A diretora do Sindibancários/ES Cláudia Garcia de Carvalho destaca a importância da renovação do Acordo, mas critica a postura do banco ao não avançar nas cláusulas prioritárias para a categoria.

“A renovação mantém vivo o nosso Acordo específico, garantindo a manutenção de conquistas específicas num momento de grave ataque aos direitos. Mas é lamentável que a principal reivindicação da categoria, a garantia do emprego, não tenha sido negociada pelo Santander. Só no último ano foram cortados mais de 2,4 mil postos de trabalho, gerando grande insegurança para os empregados” diz a diretora, que também é empregada do banco.

Assim como o Acordo firmado com a Fenaban, o aditivo terá validade de 2 anos: 2016 e 2017. Veja detalhamento da proposta:

Bolsas de estudo – Os trabalhadores conquistaram a correção das bolsas de graduação e pós pelo índice da Fenaban: 8% em 2016 e, em 2017, INPC mais 1% de aumento real. Os funcionários do Santander têm direito a um total de 2.500 bolsas de estudos, sendo 2 mil para graduação e 500 para pós, concedidas mediante critérios sociais como maior tempo de casa, menor salário e maior número de dependentes.

PPRS – O Programa de Participação nos Resultados do Santander (PPRS) terá reajuste de 9,13% em 2016, que equivale a R$ 2.200. Em 2017, o programa terá a correção da inflação (INPC) mais 1% de aumento real.

Todos os bancários do Santander receberão R$ 2.200 de PPRS referente ao ano de 2016 (com crédito em março de 2017). Já os trabalhadores que são elegíveis à remuneração variável (os que ganham pelo cumprimento de metas acordadas com o banco) receberão o valor que for maior. Por exemplo, se pelos programas próprios de remuneração variável ele receberia R$ 1.500 em 2016, passa a receber os R$ 2.200 do PPRS. Mas se sua remuneração variável corresponde a R$ 5 mil, receberá os R$ 5 mil.

Férias– Em nova cláusula, o aditivo garante aos trabalhadores do Santander o parcelamento, em até três vezes, do adiantamento das férias, caso façam essa opção.

Metas – O banco não se dispôs a negociar a política de metas ou condições de trabalho, mas uma nova reunião com a Comissão Executiva dos Empregados foi prevista para dezembro, quando o tema deve voltar à pauta. A perspectiva é dar sequência às negociações de saúde e condições de trabalho nos fóruns permanentes de saúde e da CRT.

Renovadas – Serão renovadas todas as demais cláusulas do acordo, além de todos os termos de compromisso como o de Relações Laborais e Prestação de Serviços Financeiros/Boas Práticas, e o da Cabesp e Banesprev, que garante o patrocínio do banco nessas entidades.

Com informações da Contraf

Imprima
Imprimir