CCV Caixa – Termo de Reivindicação

Comissão de Conciliação VoluntáriaOs empregados na ativa e ex-empregados da Caixa Econômica Federal que exerceram cargo comissionado de natureza técnica/assessoramento, ou os desligados com até dois anos de encerramento do vínculo, interessados em fazer negociação para quitação das 7ª e 8ª horas de trabalho na Comissão de Conciliação Voluntária devem preencher o termo de reivindicação […]

Comissão de Conciliação Voluntária

Os empregados na ativa e ex-empregados da Caixa Econômica Federal que exerceram cargo comissionado de natureza técnica/assessoramento, ou os desligados com até dois anos de encerramento do vínculo, interessados em fazer negociação para quitação das 7ª e 8ª horas de trabalho na Comissão de Conciliação Voluntária devem preencher o termo de reivindicação até 30 de dezembro de 2016. Esse prazo também vale para os empregados aposentados ou que venham a se aposentar e que desejam fazer a conciliação sobre a suspensão do fornecimento do auxílio-alimentação. Acesse abaixo os documentos:

Termo de Reivindicação sobre auxílio-alimentação

Termo de Reivindicação 7ª e 8ª horas

Procedimento

Para gerar o Termo de Reivindicação, o interessado deve informar nome completo, endereço, telefone, matrícula, CPF, e-mail, data de admissão, data de desligamento, última lotação e, no caso da conciliação sobre sétima e oitava horas, a data até quando trabalhou nesse regime. Os que querem conciliar sobre a suspensão do fornecimento do auxílio-alimentação após a aposentadoria devem colocar essa informação no campo “Objeto Reivindicado”.

Após preencher o formulário, é necessário fazer a impressão do termo em duas vias, assinar e enviar à Secretaria Geral do Sindicato por malote ou entregar pessoalmente na sede da entidade.

A partir do recebimento do Termo de Reivindicação, o Sindicato vai enviar o documento para a CIPES/RJ – Centralizadora Regional de Gestão de Pessoas/RJ -, que tem um prazo de trinta dias para fazer os cálculos. A proposta de conciliação será informada pela Caixa ao bancário na sessão da CCV, que vai acontecer no auditório do Sindicato dos Bancários na data marcada pelo banco.

Nessa sessão, o empregado estará assistido por advogados do Sindicato e uma das diretoras destacadas para acompanhar a CCV – Lizandre Souza Borges, titular, e Renata Garcia, suplente. Os advogados do Sindicato vão fazer, na reunião da CCV, o cálculo aproximado do que o empregado teria direito caso recorresse à Justiça. A partir da proposta apresentada pela Caixa e dos cálculos do Sindicato, o empregado decide se aceita ou não a proposta de conciliação.

Imprima
Imprimir