“Todos por tudo”! Campanha Nacional é lançada no ES

A primeira rodada de negociação com a Fenaban será no próximo dias 28 de junho

Com o lema “Todos por tudo”, foi lançada no Espírito Santo na manhã desta quarta-feira, 20, a Campanha Nacional dos Bancários 2018.  Neste ano, a luta será histórica. Com a reforma trabalhista, que pôs fim a proteção legal dos trabalhadores, bancários vão lutar em defesa do emprego e dos direitos já conquistados pela categoria. Para dar largada à campanha, diretores e diretoras do Sindibancários/ES circularam pelas agências do Centro de Vitória dialogando e mobilizando empregados de bancos públicos e privados. O lançamento também foi marcado pela entrega da minuta específica dos bancários do Banestes à direção do banco.

Aumento real, PLR maior, defesa da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) para todos, manutenção dos direitos, dos empregos e que qualquer tipo de alteração na forma de contratação seja feita via negociação coletiva estão entre as principais reivindicações da categoria. A primeira rodada de negociação será no próximo dia 28 de junho, quando os bancários esperam já conquistar a negociação do pré-acordo, que garante a ultratividade da norma.

“É extremamente necessário que todos os bancários e bancárias se envolvam nesta campanha. A reforma trabalhista é uma ameaça aos direitos que temos garantidos na Convenção e nos acordos coletivos. Não podemos abrir mão de tudo o que já conquistamos. Sabemos que a luta não será fácil, mas precisamos nos unir para sairmos vitoriosos ao final dessa campanha”, enfatizou o coordenador geral do Sindibancários/ES, Jonas Freire.

Bancária do Banestes há 36 anos, Mare Lúcia Barreto, espera que a pauta de reivindicações seja atendida pelos bancos. “Sabemos que será uma campanha muito difícil. O que espero é o que os bancos tenham mais respeito com seus empregados e atenda nossas reivindicações. Também conto com o envolvimento de todos os colegas bancários, pois os direitos são para todos”, disse Mare.

Nas agências, o diretor do Sindibancários/ES e representante dos bancários capixabas no Comando Nacional, Carlos Pereira de Araújo (Carlão) também alertou sobre as consequências da reforma trabalhista para os bancários. “A campanha é nacional e precisamos fortalecer esse movimento, nos bancos públicos e privados. Com o fim da ultratividade da norma, podemos perder todos os direitos e benefícios que temos no dia 31 de agosto. Pela legislação, já perdemos todos os direitos assegurados por lei. Agora, precisamos garantir nossas conquistas nas negociações”, destacou.

Confira as principais reivindicações da categoria

Imprima
Imprimir