Trabalhadores capixabas vão às ruas defender direitos e empregos nesta terça (16)

Manifestação ocorre conjuntamente em outros estados e busca articular trabalhadores para greve geral

Trabalhadores e trabalhadoras brasileiros do campo e da cidade vão às ruas nesta terça-feira (16) denunciar as tentativas de retirada de direitos e de saque do patrimônio público brasileiro arquitetados pelo governo interino de Michel Temer. A mobilização no Espírito Santo tem concentração agendada para 8h na Praça de Jucutuquara e seguirá sentido Centro durante a manhã.

A mobilização é uma investida de centrais sindicais, partidos de esquerda, movimentos campesinos e organizações militantes da cidade que se opõem ao golpe que afastou a presidente Dilma Rousseff da presidência em março. Os trabalhadores vão denunciar o golpe em curso e exigir a imediata interrupção das medidas ilegítimas promovidas pelo golpista Michel Temer e pelas forças conservadoras aliadas ao capital internacional e nacional.

Entre as bandeiras levadas às ruas estão a oposição intransigente ao PLC 30/2015, que estipula a terceirização ilimitada nas empresas públicas e privadas, o ajuste fiscal que onera as classes populares, as reformas trabalhistas e da previdência que avançam sobre direitos constituídos, ao projeto Escola Sem Partido, que busca esterilizar o ensino crítico, e as privatizações e concessões das empresas públicas planejadas pelo governo.

Localmente, os capixabas vão dialogar com a população sobre os planos de privatização do Banestes, da Cesan, do transporte de gás e do serviço de esgoto, os quatro na mira de Paulo Hartung.

“Vamos às ruas de forma unificada dizer que não toleramos nenhuma medida que subtraia direitos da classe trabalhadora. Com essa manifestação, buscamos somar forças uma greve para barrar as medidas golpistas do governo ilegítimo, informa Derick Bezerra, diretor do Sindicato.

Entre as entidades estão a Intersindical – Central da Classe Trabalhadora, a CSP Conlutas, o Sindibancários/ES, o PCB (Partido Comunista Brasileiro), o PSOL (Partido Socialismo e Liberdade), o PSTU (Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado), o MPA (Movimento dos Pequenos Agricultores), o MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra), a FETAES (Federação dos Trabalhadores Rurais, Agricultores e Agricultoras Familiares do Estado do Espírito Santo), o Grupo 100% Renovação (Oposição dos trabalhadores em vigilância patrimonial), o Coletivo Sindiupes Pela Base (grupo de oposição ao Sindiupes), ASPEPRO (Associação de Pequenos Produtores Rurais do Estado do Espirito Santo), o MAB (Movimento dos Atingidos por Barragens), o CONIC (Conselho Nacional de Igrejas Cristãs do Brasil), a PJR (Pastoral da Juventude Rural), a RACEFFAES (Regional das Associações dos Centros Familiares de Formação em Alternância do Espírito Santo), a APTA e a MMC.

Imprima
Imprimir

Comentários