Trabalhadores conseguem adiar votação do PL 4330 para esta quarta-feira, 04

Com forte mobilização, trabalhadores de todo o País conseguiram cancelar a sessão que votaria o Projeto de Lei 4330 na Câmara dos Deputados, nesta terça-feira, 03. O PL pode voltar à pauta da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJC) nesta quarta-feira, por isso, os manifestantes permanecerão em vigília para acompanhar a sessão. O Sindicato dos […]

Com forte mobilização, trabalhadores de todo o País conseguiram cancelar a sessão que votaria o Projeto de Lei 4330 na Câmara dos Deputados, nesta terça-feira, 03. O PL pode voltar à pauta da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJC) nesta quarta-feira, por isso, os manifestantes permanecerão em vigília para acompanhar a sessão. 

O Sindicato dos Bancários/ES organizou um ônibus com diretores da entidade e de outros sindicatos do Estado para fortalecer a luta contra a aprovação do PL. Eles ficam em Brasília até o encerramento da próxima sessão legislativa. 

“Estamos em Brasília fazendo uma pressão direta, mas é fundamental que os bancários continuem mandando mensagens de protestos e e-mails aos deputados. Eles precisam entender que são representantes do povo, composto por maioria de trabalhadores, e é inaceitável que queiram retirar direitos conquistados com décadas de luta da classe trabalhadora. Parece que os parlamentares não ouviram a mensagem que veio das ruas no levante popular de junho e julho, por isso, temos que continuar levantando nosso grito pelo arquivamento desse projeto”, afirma Jonathas Corrêa, diretor do Sindicato dos Bancários/ES e empregado do Santander, que acompanha a mobilização em Brasília. 

Polícia reprime manifestantes 

Por volta das 14h30, as polícias militar e legislativa formaram um cordão de isolamento na entrada do Anexo 2 da Câmara dos Deputados, que dá acesso à CCJC, para impedir a entrada de manifestantes e dirigentes sindicais e dos movimentos sociais. A ação da polícia foi violenta, com uso de spray de pimenta, cassetetes e bombas de efeito moral para reprimir e afastar os manifestantes. Houve tumulto e correria, e vários dirigentes ficaram feridos. Mais cedo, parte dos manifestantes já havia conseguido entrar no plenário do Anexo, que acabou sendo esvaziado. Durante a tarde, foi eleita uma comissão para conversar com os deputados e, depois de muita pressão, o projeto foi retirado da pauta. 

Como não houve acordo entre empresários, deputados, governo e trabalhadores na comissão quadripartite, o projeto pode ser votado a qualquer momento. Por isso, está sendo realizada um vigília, com um acampamento montado em frente ao Congresso Nacional. Os manifestantes permanecerão no local para acompanhar uma possível votação e pressionar os parlamentares pelo arquivamento do projeto PL 4330. 

Com informações da Contraf 

Imprima
Imprimir