Trabalhadores e trabalhadoras aprovam minuta da Campanha Nacional dos Bancários com críticas

Bancários e bancárias do Espírito Santo aprovaram a minuta da Campanha Nacional dos bancários 2014 na quinta-feira, 7, no auditório do Sindicato dos Bancários/ES. Também foram aprovadas as minutas de reivindicações do Banestes e do Bandes. Além disso, o coordenador geral do Sindicato dos Bancários/ES, Carlos Pereira de Araújo, o Carlão, foi escolhido para compor […]

Bancários e bancárias do Espírito Santo aprovaram a minuta da Campanha Nacional dos bancários 2014 na quinta-feira, 7, no auditório do Sindicato dos Bancários/ES. Também foram aprovadas as minutas de reivindicações do Banestes e do Bandes. Além disso, o coordenador geral do Sindicato dos Bancários/ES, Carlos Pereira de Araújo, o Carlão, foi escolhido para compor o Comando Nacional dos Bancários, representando os bancários capixabas. 

Campanha Nacional dos Bancários

Iniciando dos debates sobre a minuta da Campanha Nacional dos Bancários 2014, Carlão deu informes a respeito da Conferência Nacional, ocorrida entre os dias 25 e 27 de julho, em Atibaia, São Paulo. Ele destacou algumas questões polêmicas, como a aprovação de um índice rebaixado de 12,5% e da reivindicação pelo fim das metas abusivas. A maior polêmica do Congresso foi o apoio à reeleição da presidenta Dilma, defendida por todas as correntes cutistas. A intersindical, a CSP Conlutas e a CTB se posicionaram contra.

“Os delegados do Espírito Santo que representam a Intersindical, junto com outras forças de oposição, defenderam 17,5%, que seria 10% mais a inflação. Contudo, a Articulação Bancária (ArtBan), corrente majoritária da CUT, conseguiu aprovar 12,5%. A ArtBan também conseguiu a aprovação do fim das metas abusivas, mas nós defendemos o fim das metas. Também foi aprovado o apoio à Dilma. Porém, nós defendemos a autonomia das entidades sindicais em relação a partidos, candidatos e governos, devendo ser elaborada uma plataforma com reivindicações que atendam aos anseios da classe trabalhadora a serem apresentadas aos presidenciáveis, incluindo questões como fim do fator previdenciário, extinção do PL 4330, entre outros”, explica Carlão.

Entre as reivindicações da minuta da Campanha Nacional estão reajuste de 12,5%, plano de cargos e salários para todos os bancários e bancárias, piso do Dieese (R$ 2979,25), isonomia, estatização do sistema financeiro, não desconto dos dias parados, vales alimentação, refeição, 13ª cesta e auxílio-creche/babá: R$ 724,00 ao mês para cada (salário mínimo nacional), igualdade de oportunidades para todos, pondo fim às discriminações nos salários e na ascensão profissional de mulheres, negros, gays, lésbicas, transsexuais e pessoas com deficiência (PCDs), além de pagamento para graduação e pós por meio do auxílio educação.

Banestes

O diretor do Sindicato, Jessé Alvarenga, iniciou a assembleia expondo as cláusulas que foram modificadas ou inseridas na minuta deste ano, discutida em congresso específico durante a Conferência Estadual dos Bancários, realizada de 16 a 18 de maio no Hotel Flamboyant, em Guarapari. Entre as propostas da minuta estão aumento de seis dias de abono assiduidade, função gratificada para os funcionários que trabalham com fechamento contábil, aumento percentual da contribuição do patrocinador de 7% para 15% para a Fundação Banestes e adoção de critérios objetivos nas seleções internas do Banco.
“A minuta será entregue à direção do Banestes na quarta-feira, 13, para darmos início às negociações”, afirma Jessé.

Bandes

A minuta do Bandes também foi aprovada durante assembleia no dia 07. Seus principais eixos de reivindicação são participação nos resultados sociais, promoção por tempo de serviço, política de méritos que atenda aos anseios dos trabalhadores, definições de critérios claros para acessibilidade a cargos e abono assiduidade de cinco dias e abono aniversário.

Assim como no Banestes, a minuta do Bandes será entregue à direção do banco no dia 13, dando início às negociações.

 

Imprima
Imprimir