Trabalhadores e trabalhadoras do HSBC protestam contra demissões

Na manhã desta terça-feira os trabalhadores e trabalhadoras do HSBC, mobilizados pelo Sindicato dos Bancários/ES, paralisaram suas atividades na agência da Avenida César Hilal, na Praia do Suá, até meio dia. O motivo da manifestação foi o grande número de demissões ocorridos em todo o Brasil, que já ultrapassam 400, segundo dados da Confederação Nacional […]

Na manhã desta terça-feira os trabalhadores e trabalhadoras do HSBC, mobilizados pelo Sindicato dos Bancários/ES, paralisaram suas atividades na agência da Avenida César Hilal, na Praia do Suá, até meio dia. O motivo da manifestação foi o grande número de demissões ocorridos em todo o Brasil, que já ultrapassam 400, segundo dados da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf).

Os clientes foram receptivos à manifestação realizada pelos trabalhadores e trabalhadoras. “Eles apoiaram a iniciativa, pois têm acompanhado as informações sobre o crescente número de demissões no HSBC”, afirma o diretor do Sindicato, Fabrício Coelho. No terceiro trimestre deste ano a filial do HSBC na América Latina, que inclui o Brasil, teve lucro de US$ 96 milhões. Isso corresponde a um aumento de 50% em relação ao segundo trimestre, cujo lucro foi de US$ 64 milhões.

“Esse montante mostra que o banco não tem necessidade nenhuma de demitir trabalhadores. Muito pelo contrário. A instituição financeira tem total condição de contratar mais funcionários. O número de empregados atualmente é insuficiente para a grande demanda de serviço. Reduzindo ainda mais, a situação piora tanto para os trabalhadores, que ficarão ainda mais sobrecarregados, quanto para os clientes, que passarão mais tempo nas filas esperando pelo atendimento”, afirma o coordenador geral do Sindicato, Carlos Pereira de Araújo, o Carlão.
Demissões suspensas

Na sexta-feira, 14, a Contraf e os sindicatos dos bancários de Curitiba e São Paulo, além das federações de bancários de São Paulo e Mato Grosso do Sul, a direção do HSBC firmou o compromisso de suspender as demissões enquanto durarem as negociações. Uma nova reunião foi marcada para esta terça-feira, 18, em São Paulo.

Imprima
Imprimir