Trabalhadores entregam minuta com reivindicações específicas dos funcionários do Itaú

A pauta conta com eixos sobre remuneração, emprego, saúde, condições de trabalho, previdência privada, segurança e igualdade de oportunidades

A Comissão de Organização dos Empregados do Itaú (COE- Itaú) entregou a representantes do banco na terça-feira, 28, as reivindicações específicas dos funcionários referentes à Campanha Salarial 2016. A minuta foi construída durante o Encontro Nacional dos Funcionários do Itaú, entre os dias 7 e 8 de junho, em São Paulo, quando reuniu bancários de todo o Brasil.

A pauta conta com eixos sobre remuneração, emprego, saúde, condições de trabalho, previdência privada, segurança, igualdade de oportunidades, além de demandas sobre agências digitais.

O fim das demissões e mais contratações no Itaú, estão entre as principais reivindicações. Um levantamento do Dieese aponta que, desde 2011, o Itaú já fechou 21 mil postos de trabalho. O fechamento de agências físicas e ampliação das digitais promove a eliminação de postos de trabalho e sobrecarrega quem permanece no emprego. O banco já deixou claro aos funcionários que o projeto é estender as transações pelos canais digitais em todo o Brasil.

“Essa realidade tem causado também um quadro de adoecimento entre os bancários e bancárias do Itaú em virtude do excesso de trabalho, tanto que, na Secretaria de Saúde do Sindicato, o maior número de atendidos é de funcionários dessa instituição financeira. É importante destacar que não somente os trabalhadores bancários saem prejudicados, pois há, ainda, prejuízo para os clientes. Por causa da falta de funcionários eles acabam tendo que esperar muito tempo na fila para serem atendidos, por exemplo”, afirma o diretor do Sindicato dos Bancários/ES, José Carlos Schneider.

Fundação Itaú Unibanco

As lideranças sindicais também reivindicaram que o Itaú abra um canal de negociação para debater os planos de aposentadoria complementar, seja no âmbito dos planos administrados pela Fundação Itaú-Unibanco, ou mesmo os administrados diretamente pelo banco. Atualmente, mais de 40 mil funcionários não têm nenhum tipo de fundo de pensão.

A pauta entregue ao Itaú inclui a necessidade de discussões sobre os planos:

– Futuro Inteligente;
– UBB Prev., tendo como origem um plano oriundo do banco Bandeirantes;
– Plano IJMS (Instituto João Moreira Sales;
– Plano Futuro Inteligente;
– IAPP (Instituto Assistencial Pedro Di Perna);
– Franprev, oriundo do Banco Francês e Brasileiro.

Imprima
Imprimir

Comentários