Vitória: pressão popular reverte fechamento de posto do Banestes em Barra do Riacho

Comunidade fez atos públicos e cobrou do governo do Estado a permanência do posto. O Banestes alegava que unidade não era rentável, mas mobilização garantiu conquista.

Liderança comunitária de Barra do Riacho, Israel Azeredo de Oliveira, em ato realizado em frente ao posto na última quarta-feira, 12

Não vai fechar! A voz da comunidade de Barra do Riacho prevaleceu e o posto do Banestes permanecerá na comunidade. O fechamento da unidade foi revertido depois de mobilização envolvendo a população local, que acionou vereadores e prefeitura.

Se o posto fechasse, uma população de mais de 30 mil pessoas poderia ficar sem atendimento bancário, já que essa é a única unidade bancária da orla de Aracruz, atendendo aos distritos de Barra do Riacho, Vila do Riacho, Barra do Sahy e Cachoeirinha. O Banestes alegava que o posto não era rentável.

Na quarta-feira, 12, os moradores de Barra do Riacho e comunidades vizinhas lotaram o auditório do Centro de Saúde em reunião para cobrar das autoridades públicas a permanência do posto. A reunião foi articulada pelo movimento comunitário e vereadores e teve apoio do Sindicato. O prefeito e representantes do banco participaram da reunião. Na manhã do mesmo dia um ato público foi realizado em frente ao posto com apoio do Sindicato. Moradores também colheram assinaturas em um abaixo-assinado para ser encaminhado à direção do banco e ao governo do Estado.

Para o coordenador geral do Sindibancários/ES, a comunidade teve participação decisiva. “Foi uma conquista, mostra que a luta coletiva, com objetivo comum, traz resultados. Além de preservar um patrimônio público, que é do povo, também manteve um atendimento para a comunidade, que necessita desse posto e que contribui para o desenvolvimento da região. O Sindicato também fez trabalho importante, envolveu a comunidade, e ela foi decisiva, porque viu a importância que o banco tinha ali. Demonstra pra nós a necessidade de seguir lutando pelos nossos objetivos. Não podemos deixar as coisas acontecerem sem que tomemos partido delas”, disse Jonas Freire.

O vereador Paulo Flávio, um dos que encampou a luta em defesa do Banestes, resgatou os impactos para a população em caso de fechamento. “Seria um prejuízo imensurável não só para a Barra do Riacho mas para toda a orla. O preço da passagem de ônibus do município é um dos mais caros do país e as pessoas teriam que se deslocar até a sede de Aracruz para fazer as suas movimentações financeiras. Muitos ficariam sem atendimento e o comércio seria muito prejudicado”, salienta. Os 17 vereadores do município assinaram documento pela permanência do posto e se organizaram para pressionar o Executivo municipal.

A manutenção dos postos de atendimento e agências do Banestes faz parte da luta em defesa do patrimônio público do Estado, contra o desmonte do banco estatal e pelo cumprimento do papel social do Banestes, único banco presente em todo o Espírito Santo e com importância estratégica para o desenvolvimento capixaba. É nele que produtores rurais, comerciantes, empresas e a população em geral conseguem crédito e fazem suas movimentações financeiras. Por ser um banco público e estadual, o Banestes tem a capacidade de investir os lucros retidos (mais de R$ 103 milhões em 2016) na economia das microrregiões de todo o Estado, tanto na melhoria e na expansão da rede de atendimento, como na abertura de linhas de financiamento para pequenos e médios agricultores e empresários. Para tanto, o Sindicato defende que a política de gestão da instituição financeira seja voltada para o desenvolvimento social e não apenas para o lucro, e que a rede de atendimento seja expandida com geração de emprego e valorização do trabalhador bancário.

Outras notícias:

 

 

 

Imprima
Imprimir